Representações da Exposição Internacional do Centenário da Independência do Brasil de 1922 e da cidade do Rio de Janeiro nas mídias

Fernanda de Azevedo Ribeiro

RIBEIRO, Fernanda de Azevedo. Representações da Exposição Internacional do Centenário da Independência do Brasil de 1922 e da cidade do Rio de Janeiro nas mídias. 19&20, Rio de Janeiro, v. XV, n. 2, jul.-dez. 2020. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/arte%20decorativa/far_1922media.htm

* * *

1.     Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão inicial sobre a Exposição Internacional do Centenário da Independência do Brasil de 1922 e sobre a cidade do Rio de Janeiro, sob o enfoque das representações. No estudo do tema, foram utilizados, como principal fonte documental de análise, periódicos da época, entre o período de 1920 a 1923, que compreende o início da preparação da cidade para o evento, até o seu término. Porém, não foram excluídas outras mídias e fontes, ainda que tratadas com menor ênfase, como veremos adiante.

2.     Entendemos que os periódicos, - assim como o texto literário, o discurso urbano, a narrativa do historiador e outros registros de linguagem -, são representações do real capazes de recriar a cidade e acontecimentos. Sendo assim, nos apropriamos deles como principal - mas não único - meio de acesso à investigação inicial das representações, contemplando os aspectos simbólicos, culturais, sociais, as construções de valores, perfis e paradigmas de modernidade.

3.     Buscamos, em amostras dessas fontes, desvendar algumas das ideias contidas no que foi divulgado e como as representações identificadas foram apropriadas pelo imaginário.

4.     Com base em Sandra Pesavento (2006, p. 50), imaginário é entendido aqui como um sistema de ideias e imagens de representação coletiva, construído através da história para dar significado às coisas. Ele existe em função do real, que o produz, e do social, que o legitima, bem como para confirmar, negar, transfigurar ou ultrapassar a realidade. É composto de “representações sobre o mundo vivido, do visível e do experimentado, dos sonhos desejos e medos de cada época, sobre o não tangível nem invisível, mas que passa a existir e ter força de real para aqueles que o vivenciam.”

5.     No estudo do tema, surgiram inicialmente as seguintes questões: Quais foram as representações e construções culturais relacionadas à Exposição e à cidade do Rio de Janeiro? Como se refletiam na sociedade e no espaço? Que valores culturais traduziam o ideário brasileiro de nação, progresso, civilidade e modernidade, considerando-se a necessidade de adequação a padrões estrangeiros em busca da projeção internacional do país? De que maneira esses valores se refletiam no imaginário e na realidade?

6.     Entendemos que, para responder tais questões, no estágio atual de desenvolvimento da pesquisa[1] e no espaço deste artigo, não seria possível dar conta completamente de todas, devido à complexidade do tema e ao volume de material a ser levantado e analisado. Mas, a partir delas e do que já foi reunido e estudado, podemos aqui dar início a essa reflexão.

7.     Realizar uma análise da Exposição do Centenário e da cidade do Rio de Janeiro sob o enfoque das representações demanda um processo de reflexão sobre o conceito de representação, apontado em inúmeros estudos, como os de Stuart Hall (2016), por sua complexidade. Além dele, outros autores concordam que não é possível abarcar este conceito em apenas uma definição.

8.     Selecionamos, a princípio, como referencial, o trabalho de Pesavento, no campo da História Cultural. Nele, a noção de representação assume uma importância significativa em relação aos documentos e fontes na maneira pela qual estes são vistos e tratados, definindo, ainda, o que a representação é e qual o seu objetivo. Cabe à História Cultural tentar entender as significações das práticas cotidianas de uma dada época.

9.     Para Pesavento (2003), as representações são operações mentais e históricas, que criam sentidos e dão significados ao mundo. Por meio delas, se dá o agir no mundo e se constroem identidades. A partir desse entendimento, a representação toma o lugar da realidade, sem ser sua representação perfeita. O representante não é o representado, porém guarda com ele relações de significado, semelhança e atributos. As representações se expressam nos discursos e assumem configurações múltiplas, que se tornam concorrentes estabelecendo relações de poder. Desta forma, a percepção dominante ganha foro de realidade, de verdade, e se naturaliza.

10.   Harvey (2015) também trata da questão das representações. Embora não apresente um conceito preciso do termo, utiliza fontes paralelas em sua análise, relacionando imagens (ilustrações, fotografias, pinturas) e discursos (romances, notícias). Demonstra como as representações são construídas e influenciadas por fatores políticos, econômicos, sociais, culturais, inovações tecnológicas ou, ainda, como se convertem em instrumentos de poder e dominação, expressam dualidades, conflitos sociais e como se refletem no território e nas relações espaciais.

11.   Em relação à questão da representação, os dois autores citados apresentam visões aproximadas. Para ambos, é no imaginário popular que as representações vão sendo moldadas e fixadas, não sendo elas imutáveis, mas passíveis de serem reconstruídas. Também a análise dos discursos não pode ser realizada separada de seus contextos.

12.   Diante das questões inicialmente colocadas e das primeiras leituras sobre o assunto, entendemos que tal complexidade em relação ao conceito de representação se deve também ao fato de que sua compreensão está vinculada ao entendimento de outros conceitos semelhantemente complexos e interligados, como, por exemplo: identidade, imaginário, memória, construção cultural, ideologia e representação social - mas não seria possível tratar de todos aqui.

13.   A partir dos referenciais teóricos apresentados, daremos início a nossa reflexão, buscando identificar nas imagens e nos discursos - especialmente das mídias -, as representações da Exposição e da cidade. Daremos destaque à questão da representação relacionada com a questão da identidade e suas diferentes abordagens, através da identificação de fatos relacionados à identidade durante o período estudado.

A Exposição e a cidade

14.   No início da década de 1920, a cidade do Rio de Janeiro foi preparada para a comemoração do Centenário da Independência do Brasil em relação à metrópole portuguesa (1822-1922),[2] durante a administração do prefeito Carlos Sampaio (1920-1922) através da execução de um plano de obras que previa, entre outras realizações, o desmonte do Morro do Castelo, iniciado com o corte para a abertura da Avenida Central na administração Pereira Passos (1902-1906).

15.   Na área proveniente do aterro ao mar [Figura 1], foram construídos os pavilhões da Exposição Internacional do Centenário da Independência [Figura 2], inaugurada em 7 de setembro de 1922 e encerrada oficialmente em 2 de julho de 1923. A exposição contou com a presença de pavilhões nacionais e a participação de 14 pavilhões estrangeiros, construídos ao longo da Avenida das Nações (atual Avenida Presidente Wilson), aberta em área antes ocupada pelo mar, e também em alguns quarteirões do antigo bairro da Misericórdia - área do cento da cidade atualmente conhecida como Castelo.

16.   Progresso e modernidade estiveram sempre presentes nas aspirações a serem alcançadas pelo Brasil e a realização de uma Exposição Internacional à época do Centenário de nossa Independência política se constituiu em uma boa oportunidade de avanço nessa direção.

17.   A Exposição Internacional do Centenário de 1922 aconteceu em um momento turbulento da política e economia nacional e mundial, que se reerguiam após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

18.   O ano de 1922 foi crítico para o governo brasileiro, com disputas políticas e levantes militares. Destacou-se como paradigmático nesta década, por acontecimentos consagrados pela historiografia como marcos do “novo” Brasil: a fundação do Partido Comunista do Brasil, a Semana de Arte Moderna em São Paulo[3] e a primeira manifestação do movimento tenentista (MOTTA, 1992, p. 3). Esses fatos tiveram consequências no panorama político e cultural do país, gerando questionamentos em relação aos padrões da Primeira República.

19.   Além de comemorar os cem anos de independência política do Brasil, a Exposição do Centenário apresentava como objetivo mostrar ao mundo os progressos da nação e nossa potencialidade na promoção de intercâmbios culturais e comerciais e, assim, valorizar nossos produtos e ao mesmo tempo trazer ao conhecimento do povo as novidades dos outros países (MARTINS, 1987).

20.   A realização desses objetivos implicou em processos de construção e/ou reconstrução nos campos simbólico e material em relação ao evento e à cidade, em diferentes âmbitos.

21.   O fato de as comemorações do Centenário da Independência terem ocorrido sob a forma de uma exposição internacional, já é, em si, revelador nesse sentido. Pois, historicamente, as exposições universais marcaram o processo de modernização das cidades entre o final do século XIX e início do século XX, e se caracterizaram por sua representatividade como importantes mecanismos de renovação urbana, como espaços de prestígio e afirmação do poder econômico, político, científico, tecnológico e cultural dos países que as sediaram, viabilizando o intercâmbio nesses campos entre as nações participantes.

22.  As exposições universais exerceram um poder simbólico significativo ao se constituírem como o grande “espetáculo das maravilhas da indústria e da civilização” (PESAVENTO, 1997, p. 50), sinônimo de progresso e modernidade e como meio de exaltação do caráter nacionalista dos países anfitriões.

23.   Pierre Bourdieu define o poder simbólico como um “poder de construção da realidade” (1989, p.9). Para ele, é no campo da cultura que as relações sociais são forjadas e onde é construído e mobilizado o poder simbólico e a realidade dos entes materiais e simbólicos, que são produto da ação do homem.

24.   Na vasta documentação existente sobre as comemorações do Centenário, especialmente sob a forma de artigos de periódicos, relatórios, álbuns, etc., encontramos indicações da mobilização da população em geral e da intelectualidade em torno dessa data.

Reflexões sobre a questão da identidade nos campos simbólico e material

25.   O Centenário da Independência despertou na imprensa, anos antes de sua chegada, preocupações quanto às comemorações. Em 1917, a revista Ilustrada Eu Sei Tudo publicou, no artigo “Noventa e Cinco annos de Independencia:”

26.                                Com a aproximação do centenario da nossa independencia parece que mais se afervora o culto civico, o ardor patriotico pelo 7 de Setembro, ganhando de intensidade, anno para anno.

27.                         Aparecem projectos no Congresso, agitam-se institutos sabios, artistas e literatos se apparelham, qual mais enthusiasta, para a grande data.

28.                          E, entretanto, apezar do recente e valioso depoimento de Varnhagen, vindo á luz nas paginas da Revista do Instituto Historico, o problema da nossa emancipação ainda está posto como a desafiar a argucia dos pesquisadores.[4]

29.   O objetivo do artigo, segundo a revista, era fornecer ao leitor documentos e informações ainda não conhecidos sobre a Independência, demonstrando assim a preocupação em refletir sobre o passado, principalmente nesse momento, com a Primeira Guerra Mundial ainda em curso e aproximação do Centenário da Independência, marcado por um sentimento nacionalista em ascensão. O trecho inicial transcrito acima chama atenção para a crescente expectativa quanto à comemoração do Centenário e para a agitação do governo e no meio intelectual em relação à proximidade da data.

30.   Segundo Marly da Silva Motta (1992, p.96), essa reflexão sobre o passado se estendeu a outras áreas, em quase sua totalidade estudos realizando retrospectivas sobre os últimos cem anos para avaliar nossa evolução.  Entre os nomes da intelectualidade estavam: Mario de Andrade, Oliveira Vianna, Monteiro Lobato, Tristão de Ataíde, Lima Barreto, dentre outros, comprometidos com a tarefa de “criar a nação,” forjar a identidade nacional e construir um Brasil moderno. Filiada a diversas concepções de modernidade, essa intelectualidade partilhava a crença de que a construção de uma sociedade moderna dependia de um projeto de (re)construção da nação brasileira.

31.   Com base no estudo de Kathryn Woodward (2012, p. 11-12) sobre identidade, identificamos que essa redescoberta do passado, tomando o 7 de Setembro como lugar de sacralização da nação e de identificação do nacional, se configura como parte de um processo de (re)construção social e simbólica da identidade nacional, muitas vezes caracterizado por situações de conflito, contestação e crise.

32.   A motivação da criação de um periódico oficial da Exposição exemplifica esse processo em andamento:

33.                                Promovendo este certâmen, teremos occasião de apreciar o nosso progresso e o das nações amigas que a elle comparecerem, o que nos obriga á publicação de uma Revista, na qual não só se encontre o repositório historico desses ultimos cem annos de actividade nacional, como se registre o que houvemos exposto ao publico, e o que fizerem no mesmo sentido as nações amigas.

34.                                [...] Apresentaremos ao mundo os fructos do nosso trabalho, n’um cyclo de cem annos; e na communidade de ideias de sentimentos que se estabelece entre os povos, veremos como, na nossa formação, não foram esquecidos nem o parentesco historico, nem a maravilhosa riqueza de ensinamentos com que nos cumularam as velhas nacionalidades.[5]

35.   Este discurso revela também uma relação de identificação do Brasil com as “nações civilizadas.” Segundo Woodward (2012, p.12), a identidade é relacional, ou seja, depende de outra identidade para existir. É marcada pela diferença, por meio de símbolos e sustentada pela exclusão. Na base da discussão sobre identidade e diferença, existe uma tensão entre duas perspectivas: a essencialista, que focaliza as diferenças por oposição; e a não-essencialista, que, além das diferenças, focaliza as características comuns ou compartilhadas.

36.   Encontramos as duas perspectivas no conteúdo do periódico da Exposição; domina, porém, a visão que busca enfatizar as semelhanças em diferentes campos com as nações que à época representavam progresso, civilidade e modernidade.

37.   Nesse processo de construção de identidade, podemos identificar tal tensão de perspectivas também em relação ao território, no episódio do arrasamento do Morro do Castelo [Figura 3], onde a questão da construção da identidade marcada pela diferença se materializa no espaço.

38.   A notícia do arrasamento gerou um debate polêmico na imprensa carioca, com posições favoráveis e contrárias, apoiado em concepções sobre o que seria uma cidade moderna. Formaram-se dois grupos: o dos “tradicionalistas,” contrários à demolição, representado pelo Jornal do Brasil; e o dos “sacrílegos”, a favor, representado pela Revista da Semana, apoiada por outros periódicos, como o Correio da Manhã e as revistas Careta e O Malho.

39.   A matéria do Jornal do Brasil “A destruição de nossas lindas praias”, apresenta as razões de seu posicionamento contrário ao arrasamento:

40.                                [...] vae o Conselho Municipal dar a uma firma estrangeira o direito de arrasar o tradicional morro do Castello, onde os nossos antepassados iniciaram a edificação desta cidade, lançando as bases da grande metropole Sul Americana.

41.                                No Chile, o cerro de Santa Lucia, que não tem a sumptuosa moldura que oferece o nosso morro, teve do grande architecto chileno D. Victor Villeneuve o carimbo do seu aformoseamento.

42.                                 [...] Por que não se faz o mesmo aqui, erguendo no Castello aformoseado, a estatua de Mem de Sá, o fundador da cidade, no proprio local onde ella teve origem?

43.                                Não seria infinitamente mais bello tratar com carinho essa colina tradicional, fazendo [...] uma avenida circumdando o morro, com um declive accessivel á tracção electrica, edificando graciosas villas pela sua encosta e no alto, num jardim suspenso, na exuberancia da nossa vegetação, construir, á semelhança do que o Chile fez com Santa Lucia, mais um logradouro para a cidade? Seria um encantador mirante para ir admirar a belleza sem par, que nenhum paiz do mundo póde offerecer como nós aos olhos curiosos dos estrangeiros!

44.                                Mas, não; o principio utilitario parece poder mais que o sentimento esthetico e, á ganancia de uma firma estrangeira, vamos sacrificar essa joia, que está apenas a exigir lavor, para estragar a rica moldura da cidade, as suas formosas praias da Lapa, do Russel e do Flamengo...[6]

45.   O artigo faz uma crítica ao governo municipal, que destrói um símbolo da cidade para modernizar em nome de princípios utilitários, a favor de interesses políticos e financeiros, beneficiando, ainda, a empresas estrangeiras. Defende o embelezamento e modernização da cidade compatível com a preservação de sua topografia, a exemplo do que foi feito em outros países, onde a natureza foi protegida dos interesses utilitários e preservada em sua exuberância.

46.   Para os “sacrílegos,” a demolição do Morro do Castelo exemplifica a necessidade de se modernizar a cidade. A matéria “O Morro do Castelo e a sua demolição”, de O Malho, representa a posição favorável da imprensa pela derrubada:

47.                              Três razões apresentam como convincentes os que criticam as obras do arrazamento do morro do Castelo para condemnar essa obra, além das de ordem sentimental, como a de ter sido esse outeiro a origem de nossa cidade e nele estarem o marco fundamental e a sepultura de Estácio de Sá; a condemnação lavrada ha annos, em nome da estética, pelo architecto francez Bouvard; a desaparição de um anteparo natural para as ruas do centro, ás brisas violentas do alto mar, e o elevado custo das desapropriações e serviços técnicos de extração e remoção do material para pontos distantes, carecedores de aterro.

48.                              As razões de ordem sentimental desapparecem diante das outras, por isso que ninguém administra obedecendo a considerações dessa natureza. [...]

49.                              As razões estheticas do architecto Bouvard [...] desapparecem ante as superiores exigencias da absoluta necessidade de alargamento do bairro commercial, que achará facilmente por onde estender-se, nos terrenos conquistados pela ablação desse incommodo cocuruto, cheio de habitações sem hygiene, sem arte, sem gosto, refugio de uma parte da população que não prima pelos habitos de asseio conservando em pleno coração da cidade um arremedo dos bairros excusos das grandes cidades mediterraneas. O Morro do Castelo em nada contribue para a formosura do Rio de Janeiro; antes, pelo contrário, só serve para enfeiar-lhe o aspecto e difficultar-lhe a topographia. Basta ver as ruas angustas, comprimidas entre elle e o mar, justamente a parte mais inesthetica da nossa cidade. Demolido esse morro, abertas novas ruas, avenidas novas, nessa imensa area crear-se-á um bairro novo, repleto de construcções modernas, que, esse, sim, contribuirá para o embellezamento da Capital.

50.                      A hygiene não condemna nem pode condemnar essa obra de verdadeiro saneamento, que contribuirá para a ventilação do vasto bairro commercial, da mesma maneira que a Avenida Central. [...]

51.                              E a desapparição dos predios hoje existentes no outeiro, anti-hygienicos como anti-estheticos, não representará tambem um extraordinario serviço que visa beneficiar grandemente a nossa Capital?

52.                              Quanto ás razões financeiras, invocadas ainda para condemnar essa obra, não colhem tambem; ou muito nos enganamos ou a Prefeitura fará uma operação financeira de primeira ordem, com a divisão de terrenos conquistados em lotes e sua subseqüente venda. A valorisação extraordinaria da Avenida Rio Branco e ruas circumvizinhas provam o acerto dessa previsão. [...]

53.                              Concluímos, pois, affirmando que todas as razões de ordem esthetica, hygienica e financeira aconselham essa obra de indiscutivel merito e que bastará para recommendar a administração municipal.[7]

54.   O texto começa refutando as razões expostas contra o arrasamento do morro, procurando mostrar seus aspectos mais negativos. Apresenta o Castelo como um símbolo degradado do passado colonial, como “a parte mais inesthetica” da cidade. As legendas das imagens que acompanham o texto completam as descrições: “Paisagem de lavadeiras...” [Figura 4]; “Rua de villa de interior...” [Figura 5]; “E isto a dois passos da Avenida [Central] ...” [Figura 6]; “Ruínas... ruínas...” [Figura 7]; “Uma rua de solavancos...” [Figura 8]; “O lamentável cortiço...” [Figura 9].

55.   As imagens que ilustram a matéria reforçam o discurso textual ao mostrar a pobreza das “habitações sem hygiene, sem arte, sem gosto” junto ao centro republicano, representando uma vergonha para a imagem da Capital. A realidade do Castelo representava o oposto do que se pretendia mostrar ao visitante estrangeiro. É reforçada, ainda, a ideia de que essa situação de pobreza era provocada pela “população que não prima pelos habitos de asseio” que ali vivia. A matéria utiliza o apelo visual da fotografia, junto a legendas depreciativas, como estratégia de convencimento de que a melhor solução para a Capital é o arrasamento do morro. E, no seu lugar, a construção de um novo bairro comercial, com novas ruas e avenidas, repleto de construções modernas.

56.   As razões econômicas são expostas por último e justificadas em razão da higiene e embelezamento. Mas na verdade, essa foi a principal razão para o arrasamento do Castelo. As comemorações do Centenário da Independência na Capital, apresentando como evento principal a Exposição, se traduzem como o momento e a oportunidade propícios para realizar esse antigo projeto, utilizando como pretexto a localização da Exposição. Os terrenos criados, na área supervalorizada da cidade junto ao centro republicano seriam vendidos pela Prefeitura e supostamente pagariam as despesas do arrasamento e das desapropriações. Não importando que, para isso, desaparecessem junto com o Castelo importantes símbolos da cidade, como a Igreja de São Sebastião, o Colégio dos Jesuítas, além de outros símbolos como as “casas dos pretos,” onde eram realizados cultos de origem africana; o relógio da torre e o observatório astronômico, que indicavam o significado histórico do lugar.

57.   Higienizar e modernizar a cidade significava a eliminação dos lugares insalubres, bem como da cidade colonial e seus “valores culturais relacionados ao período imperial, valorizando a inserção cultural e econômica europeia, principalmente pela absorção da visão do mundo francês.” A construção de um “novo centro” mais moderno, legitimado pelos discursos higienista e estético, significaria a construção simbólica de um novo país, instaurado pela ordem republicana (BARROS, 2002), construção essa marcada por “lutas simbólicas” (BOURDIEU, 1992), especialmente nos campos social, político, econômico e cultural, nos quais as representações de modernidade aliada ao discurso político se constituíram em instrumentos para impor e legitimar socialmente e no espaço a dominação das elites políticas e econômicas sobre a maior parte da população.

58.   Segundo Harvey (2015, p.11), a modernidade sempre diz respeito à “destruição criativa” definida como uma ruptura com o passado, que pode se dar no estilo de fazer ou representar coisas em diferentes setores e possibilita enxergar o mundo como uma tabula rasa, sobre a qual o novo pode ser inscrito, podendo se concentrar “em alguns locais e épocas importantes, de onde as forças agregadas da modernidade se expandem para fora, engolfando o resto do mundo.” Fenômeno este claramente identificável com o que ocorreu no centro da Capital Federal, no período da Exposição do Centenário de 1922.

59.   A questão da identidade, no caso do arrasamento do Castelo, é marcada pela diferença, sustentada pela exclusão nos campos social e cultural e justificada pelos interesses políticos e econômicos das elites em nome da modernidade e do progresso.

60.   Nesse momento, o desaparecimento do Castelo e a realização da Exposição representa um dos pontos altos do processo de modernização da cidade, então capital do país, que buscou na construção de sua imagem um meio de ingresso e afirmação na economia e política internacionais. Processo esse descrito em uma série no periódico oficial da Exposição, “O Rio de Janeiro e as grandes phases de seu desenvolvimento,” concebida com o objetivo de passar a limpo a história da capital da República, examinando suas principais fases de desenvolvimento, identificadas em cinco períodos: 1) Os primeiros anos do Império; 2) Os últimos anos do Império; 3) A administração Pereira passos; 4) A administração Paulo de Frontin; e 5) o Rio de Janeiro da Exposição, na administração Carlos Sampaio. Destes, apenas os três primeiros períodos foram desenvolvidos na revista.

61.   A apresentação da imagem da cidade do Rio de Janeiro, em sua forma natural ou transformada pela ação do homem, é algo que chama a atenção em diferentes mídias no período da Exposição do Centenário, por sua representatividade como capital simbólico.

62.   Nestor Garcia anclini (2010, p.129) nos dá uma breve introdução sobre a questão da identidade como uma construção que se narra através de mídias, tendo o rádio e o cinema, segundo ele, contribuído no início do século XX para organizar os relatos da identidade e o sentido da cidadania nas sociedades nacionais e possibilitando novas sínteses da identidade nacional em transformação. Diante da constatação da divulgação intensa de imagens da cidade no período da Exposição, a introdução de Canclini nos leva a investigar e refletir sobre a forma como a questão da identidade aparece nas mídias da época em relação a essas imagens.

63.   O rádio, o cinema e, especialmente os periódicos nacionais e internacionais, foram os principais divulgadores do evento e das obras preparatórias para ele, apregoando a imagem da cidade do Rio de Janeiro para o Brasil e o mundo. Além disso, a presença do cinema se revestiu de significado simbólico, por sua representação como expressão da modernidade.

64.   Em relação à presença do cinema, a Exposição Internacional do Centenário da Independência do Brasil acompanhou a tendência mundial da utilização dessa mídia nas Exposições universais como instrumento de propaganda.[8] No contexto mundial, sua importância está no fato de ter sido a primeira mostra universal após a Primeira Guerra Mundial.

65.   O cinema na Exposição do Centenário atuou como mídia para a projeção do país em diversos campos. Sua presença no evento esteve prevista desde a primeira apresentação do plano geral das comemorações para a população do Rio de Janeiro, em dezembro de 1920.[9]. Caberia, a princípio, ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, o preparo e exibição de filmes no recinto da Exposição.

66.   O programa do evento informa que haveria

67.                                [...] a exhibição gratuita, em dias determinados, no recanto da Exposição, de filmes referentes á história, á geographia, á natureza e á civilização do Brasil, de paisagens, costumes e typos, de indumentária e habitação, de aspectos dominantes da vida agrícola e da vida urbana, como beleza, cultura e progresso.[10]

68.   Nesse trecho, as palavras “paisagem,” “vida urbana,” “beleza, cultura e progresso” se destacam. Explicitam, através desse discurso, a intenção de construção de uma imagem a ser disseminada, que não correspondia exatamente aos “aspectos dominantes” da realidade nacional, mas sim ao que era mais interessante e conveniente mostrar ao país e ao mundo.

69.   Não havia mídia com maior poder de encantamento e convencimento do que o cinema para passar a imagem de modernidade, progresso e civilidade pretendida pelo Estado brasileiro, sobretudo às nações estrangeiras.

70.   No entanto, segundo Eduardo Morettin (2010, p. 10) o Brasil apresentava como singularidade nesse contexto, a “ausência de uma indústria de cinema.”[11] Além disso, as produções aqui realizadas “transmitiam uma imagem do país distinta daquela desejada pelas elites” (MORETTIN, 2010, p. 9).

71.   Na Exposição do Centenário, diversos filmes, produzidos ou não para o evento, foram projetados. No Pavilhão dos Estados e no parque de diversões havia salas de exibição. Ao menos uma produção nacional conseguiu atingir os objetivos propostos, constituindo o filme de maior reconhecimento de crítica e público. Realizada pelo português Silvino Santos, “No país das Amazonas” (1922), louvava as belezas amazônicas, promovendo o potencial econômico da região. Foi exibida em 1923 e recebeu a medalha de ouro do júri da Exposição.

72.   Antes e durante a Exposição do Centenário, outra mídia - a impressa -, representou um dos maiores meios de crítica, documentação, divulgação e promoção do evento e da imagem da cidade e do país. A questão que se coloca aqui é: Qual foi o tipo de imagem mais veiculada? O que isso significa em termos urbanos, paisagísticos, simbólicos, políticos, culturais...?

73.   Em relação à imagem da cidade do Rio de Janeiro nos meios oficiais, o Guia da Exposição, o Album da Cidade do Rio de Janeiro Commemorativo do 1º Centenário da Independência do Brasil e o periódico A Exposição de 1922, destacaram as belezas naturais junto à ação transformadora do homem sobre a natureza e a cidade, como sinal de civilização e modernidade durante os 100 anos de independência. Essa concepção aparece explícita no logo no primeiro número do periódico oficial:

74.                                O Rio de Janeiro, pelas suas bellezas naturaes, que não encontram no resto do mundo, segundo o insuspeito testemunho estrangeiro, outras que com ellas rivalisem, seria uma cidade sem seducção, máo grado todos os atractivos em que se aprimorou a naturesa, se o homem não offerecesse a colaboração do seu trabalho, da sua sciencia e do seu gosto [...] a naturesa, desamparada dos benefícios da civilização, é uma expressão de valor precário para o homem moderno, que desadora as cidades sem higiene e conforto.[12]

75.   É frequente nessas publicações a presença de imagens de paisagens naturais, especialmente de áreas da Zona Sul, como a enseada de Botafogo, a Baía de Guanabara [Figura 10] ou o Pão de Açúcar, fixando-as como imagens referenciais da cidade.

76.   Imagens de prédios públicos em estilo arquitetônico clássico e igrejas aparecem nelas frequentemente como representantes de uma aproximação com os parâmetros europeus de cidade e arquitetura, que desde o século XVIII eram considerados sinônimos de modernidade e civilidade. Nas imagens urbanas das primeiras décadas do século XX até a Exposição, destacam-se imagens da Avenida Rio Branco [Figura 11] e das praças públicas, parques e jardins remodelados à moda europeia [Figura 12].

77.   Seguindo o padrão das exposições internacionais, foi elaborado um programa das comemorações do Centenário, onde estavam incluídos atividades e eventos paralelos em diferentes pontos da cidade. Embora a Exposição fosse o foco, o programa foi pensado para que de alguma forma os eventos remetessem a área da Exposição e, ao mesmo tempo, destacassem os pontos da cidade representativos da cultura, ciência e da modernização urbana, promovendo, desta forma, sua visibilidade para os visitantes. Os periódicos divulgaram e/ou registraram muito dessa programação, permitindo assim uma percepção mais ampla do alcance dos eventos, como exemplificado abaixo.

78.   Fazia parte do programa dos congressos, roteiros científico-culturais que tinham início na visita aos pavilhões da Exposição e seguiam para as instituições científicas na Zona Norte e Zona Sul (SANTOS, 2010). Na Zona Norte eram realizadas visitas ao Museu Nacional, localizado no bairro de São Cristóvão, e ao Instituto Oswaldo Cruz, em Manguinhos. Na Zona Sul, o principal destino era o Jardim Botânico.

79.   Foram realizados dois eventos esportivos internacionais: os Jogos Latino-Americanos, considerados como precursores dos Jogos Pan-Americanos, cujas competições contaram com o apoio do Fluminense, Derby Club, e com as instalações das Forças Armadas; e o Campeonato Sul-Americano de Seleções Nacionais, que foi realizado no Fluminense Football Club, reformado e ampliado para o evento, com elevação de sua capacidade de 18.000 para 24.000 espectadores (MASCARENHAS, 2011), e que contou com a ajuda do governo.

80.   Assim, o estádio do Fluminense passou a representar um dos elos entre os esportes e a reforma urbana, mas não foi o único. Para a maratona dos Jogos Latino-Americanos foi pensado e executado um roteiro de 42 quilômetros [Figura 13],[13] que destacou os palácios da Exposição, os pontos recém-urbanizados da Zona Sul, outros que ressaltavam o desenvolvimento da cidade e as “novas regiões adotadas pela elite carioca como destino” (SANTOS, 2011). Ness roteiro, se destacam: o Estádio do Fluminense, ponto de partida; a Avenida Beira-Mar, que tinha recebido novo aterro após o arrasamento do Morro do Castelo; a Exposição do Centenário, passando em frente ao Palácio Monroe; o Passeio Público reformado, onde havia sido inaugurado o Teatro-Cassino Beira-Mar; a nova Avenida do Contorno; praias de Botafogo e da Saudade, na Urca, que pouco tempo antes havia passado por nova urbanização;[14] o Túnel Novo em direção ao Leme; Praça da Vigia, atual Julio Noronha; praia do Leme; Avenida Atlântica; Copacabana Palace; Ipanema, recentemente urbanizada; Avenida Vieira Souto; Lagoa Rodrigo de Freitas, passando pela Ponte da Lagoa, recém-inaugurada; Avenida Epitácio Pessoa; ruas Jardim Botânico e Humaitá.

81.   Na pesquisa iconográfica sobre a Exposição de 1922, não se pode deixar de mencionar a presença dos cartões postais. Eles tiveram um papel importante como mídia na divulgação e circulação da imagem da cidade do Rio de Janeiro pelo mundo, como nunca antes havia acontecido. Essas imagens destacaram praticamente as mesmas cenas - da natureza e da ação do homem sobre a cidade - veiculadas nos periódicos, que acabaram se transformando em símbolos da identidade do Brasil a partir dessa repetição.

82.   Comparando a veiculação de imagens nas mídias consideradas como oficiais, percebe-se claramente o fato de que a maior parte delas, ou mesmo sua totalidade, se constitui de imagens escolhidas, procurando representar ideais de riqueza, beleza, progresso, cultura, civilização e modernidade, textualmente e/ou iconograficamente.

83.   Diante dessa constatação, surgem outras questões a serem investigadas futuramente no desenvolvimento da pesquisa: Nas mídias (periódicos) não-oficiais, como foi apresentada a Exposição e a cidade do Rio de Janeiro? Até que ponto as imagens propagadas nos meios oficiais e tudo o que elas buscam representar correspondiam à realidade social, cultural e espacial? Como essas representações repercutiram e foram apropriadas no imaginário social?

Considerações finais

84.   As comemorações do Centenário da Independência, sob a forma de uma Exposição internacional, representam um importante marco simbólico, sob diferentes aspectos. É interessante notar como, em torno de uma data nacional que motivou a realização do evento, se desenvolveram diversos processos de construção/reconstrução material e simbólica da identidade nacional, em relação ao próprio evento, à cidade, à sociedade, à política, à cultura e à economia, vinculados a um ideal de progresso e modernidade que apresentava como principal modelo as nações europeias.

85.   A realização de uma exposição internacional para comemorar uma data de importante significado simbólico, em um momento pós-Primeira Guerra, quando ainda estava em alta o sentimento nacionalista, se traduziu em avaliação e demonstração do progresso do país e em idealizações quanto ao seu futuro em diferentes campos.

86.   O processo de construção da identidade nacional foi marcado por situações de conflito social, político e cultural, que tiveram no episódio do arrasamento do Morro do Castelo um dos exemplos mais importantes sobre o modo como esse processo se refletiu na materialidade do espaço, através da negação de valores culturais que o morro representava e da exclusão social da população que ali vivia.

87.   As mídias representaram um importante papel em relação ao evento e ao processo de modernização da cidade sob diferentes aspectos. A própria Exposição desempenhou o papel de mídia ao conferir visibilidade ao país divulgando culturas, além de estimular a economia através de negócios e do turismo.

88.   No processo de construção da identidade nacional, as mídias da época - cinema, rádio, periódicos e cartões postais – representam um importante registro da época e cumpriram importante papel de divulgação das imagens da Exposição e da cidade. Nos meios oficiais, percebe-se uma preocupação em apresentar uma imagem adequada da cidade. Foram disseminadas cenas de conteúdo simbólico representativas do nosso progresso e cultura, para dar a impressão de estabilidade e riqueza, apresentando também como destaque a exuberância da natureza.

89.   Elas se convertem então em instrumentos para atrair investimentos do capital internacional e, assim, restabelecer e desenvolver a economia, além de promover uma visibilidade do Brasil na política internacional através das relações diplomáticas estabelecidas com grandes potências mundiais durante o evento.

90.   A construção de uma imagem adequada para o país se estendeu a outros campos. No das ciências, os congressos e conferências cumpriram um importante papel simbólico em diferentes áreas do conhecimento ao estimular o debate e a circulação de ideias a nível nacional e internacional, como lugar de troca de produtos e de conhecimento - contribuindo, assim, para a ampliação de mercados - e como meio de afirmação do status de capital moderna para a cidade do Rio de Janeiro.

91.   Simbolicamente os eventos esportivos se constituíram em um espaço social de negociações em diversos níveis e de representações de uma identidade cultural brasileira.

92.   Os eventos paralelos, de alguma forma, estabeleceram uma relação com as reformas urbanas e/ ou com a apresentação da cidade. Contribuíram na atração de público para áreas que tinham sido remodeladas ou que tinham significado cultural e/ou científico, simbolizando progresso e modernidade, através de seus roteiros de atividades. Funcionaram como lugares de trocas, em diversos círculos, contribuindo para a divulgação da imagem de progresso do país em diferentes áreas. A estrutura construída para servir aos eventos contribuiu para melhorias em algumas áreas da cidade.

93.   Esta reflexão sobre as representações e a questão da identidade nos campos simbólico e material em relação à Exposição e a cidade do Rio de Janeiro, mesmo que embrionária, contribuiu para o avanço da pesquisa sobre o tema em diversos sentidos. Especialmente em relação ao referencial teórico a ser utilizado na abordagem de conceitos importantes para o entendimento do conceito de representação. Também contribui apontando um direcionamento para a abordagem de assuntos igualmente significativos, como: a dimensão simbólica e política do espaço, imaginário social, memória coletiva, paradigmas de progresso e modernidade, entre outros, a serem aprofundados.

Referências

ALBUM da Cidade do Rio de Janeiro Commemorativo do 1º Centenário da Independência do Brasil, 1822-1922. Rio de Janeiro: Prefeitura do Districto Federal, 1922.

BARROS, P. C. Onde nasceu a cidade do Rio de Janeiro? (um pouco da história do Morro do Castelo). Revista Geo-Paisagem [on line], Niterói, RJ, v.1, n.2, jul./dez., 2002. Disponível em: http://www.feth.ggf.br/origem%20do%20rio%20de%20janeiro.htm

BHERING, Mario. Noventa e Cinco annos de Independência. Eu Sei Tudo, Rio de Janeiro, ano 1, n.4, set. 1917.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: critica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CANCLINI, Nestor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2010.

COMO foi disputada a prova classica da Marathona. O Paiz, Rio de Janeiro, ano XXXIX, n.13.862,  3 de out. 1922, p.7.

A DESTRUIÇÃO das nossas lindas praias. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano XXX, n.262, 20 de set. 1920, p.4.

EXPOSIÇÃO do Centenário. Um aspecto da Avenida das nações. Careta, Rio de Janeiro, ano XVI, n.759, 6 jan. 1923.

GUIA Official da Exposição do Centenário: com informações geraes sobre o Brasil, a cidade do Rio de Janeiro, Minas Geraes e São Paulo. Rio de Janeiro: Bureau Official de Informações, Palácio Monroe, 1922.

GOMES, Paulo Emílio Sales. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HARVEY, David. Paris: capital da modernidade. São Paulo: Boitempo, 2015.

LEVY, Ruth Nina Vieira Ferreira (org.). 1922/2012 90 anos da Exposição do Centenário. Rio de Janeiro, RJ: Casa Doze, 2013.

LEVY, Ruth Nina Vieira Ferreira. A Exposição do Centenário e o meio arquitetônico carioca no início dos anos 1920. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, EBA, 2010.

MASCARENHAS, Gilmar. Inventando a “cidade esportiva” (futura cidade olímpica): grandes eventos e modernidade no Rio de Janeiro. In: MASCARENHAS, Gilmar; BIENENSTEIN, Glauco; SÁNCHEZ, Fernanda Ester (orgs.). O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2011. p.59-82

MASCARENHAS, Gilmar; BIENENSTEIN, Glauco; SÁNCHEZ, Fernanda Ester (Orgs.). O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2011.

MARTINS, Angela Maria Moreira. A Exposição Internacional de 1922. Cadernos do Proarq, Rio de Janeiro, n.2, out.1987, p. 1-32.

MORETTIN, Eduardo Victorio. As exposições universais e o cinema: história e cultura. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 31, n. 61, 2011, p. 231-249.

O MORRO do Castello e a sua demolição. Justificativas de ordem hygienica, esthetica e financeira. O Malho, Rio de Janeiro, ano XX, n. 988, 20 de ago. 1921.

MOTTA, Marly da Silva. A nação faz cem anos: a questão nacional no centenário da Independência. Rio de Janeiro: Editora FGV: CPDOC, 1992.

MOTTA, Marly da Silva. A nação faz cem anos: o Centenário da Independência no Rio de Janeiro. In: LEVY, Ruth (org.). 1922/2012 90 anos da Exposição do Centenário. Rio de Janeiro, RJ: Casa Doze, 2013. p.51-60.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cultura e Representações, uma trajetória. Anos 90, Porto Alegre, v. 13, n. 23/24, jan./dez. 2006, p. 45-58.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Exposições Universais: espetáculos da modernidade do século XIX. São Paulo: Editora Hucitec, 1997.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PROGRAMMA para a comemoração do Primeiro Centenário da Independência Política do Brasil. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n.1, jul. 1922, p. 27. 

Regimento interno da Comissão Executiva da Commemoração do Primeiro Centenário da Independência Política do Brasil. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n. 1, jul. 1922, p. 28. 

REZENDE, Padua. A Exposição Nacional de 1922. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n.1, jul. 1922, p. 1-2.

RIBEIRO, Fernanda de Azevedo. A Exposição Internacional do Centenário de 1922: processo de modernização e legado para a cidade do Rio de Janeiro.: Dissertação (mestrado) - Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ, 2014.

O RIO de Janeiro e as grandes phases de seu desenvolvimento. Antecessores de Carlos Sampaio. Ligeiras notas historicas. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n. 1, jul.1922, p. 5-6.

O RIO de Janeiro e as grandes phases de seu desenvolvimento. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n. 2, ago.1922, p. 9-10.

O RIO de Janeiro e as grandes phases de seu desenvolvimento. Antecessores de Carlos Sampaio. Ligeiras notas historicas. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n. 3-4, set.1922.

SANTOS, Araci Alves. Terra Encantada - a ciência na Exposição do Centenário da Independência do Brasil. Rio de Janeiro: [s.n.], 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação de História das Ciências, das Técnicas e Epistemologia.

SANTOS, João Manuel Casquinha Malaia. “Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro” no Centenário de 1922: olhares sobre a política de um projeto de unificação e celebração da nação através do esporte. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História. São Paulo: ANPUH, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300899445_ARQUIVO_JoaoMCMalaiaSantosAnpuh2011.pdf

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

______________________________

[1] Pesquisa sobre o tema abordado no artigo, atualmente em andamento para a elaboração da Tese de Doutorado.

[2] O Brasil foi elevado à categoria de reino, em 1815, unido ao Reino de Portugal e Algarve, devido à transferência da família real e da nobreza portuguesa para o Brasil em 1808. Assim permaneceu até a independência política, em 7 de setembro de 1822. Nesse ano teve início o período imperial (1822-1889).

[3] Na pesquisa sobre este período, chama atenção o destaque dado à Semana de Arte Moderna que, assim como a Exposição de 1922, era parte da agenda oficial das comemorações do Centenário da Independência.

[4] BHERING, Mario. Noventa e Cinco annos de Independência. Eu Sei Tudo, Rio de Janeiro, ano 1, n. 4, set. 1917.

[5] REZENDE, Padua.A Exposição Nacional de 1922. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n.1, jul. 1922, p. 1-2.

[6] A DESTRUIÇÃO das nossas lindas praias. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano XXX, n.262, 20 de set. 1920, p. 4.

[7] O morro do Castello e a sua demolição. Justificativas de ordem hygienica, esthetica e financeira. O Malho, Rio de Janeiro, ano XX, n. 988, 20 de ago. 1921.

[8] Nas exposições universais o cinema foi reconhecido oficialmente no campo do entretenimento na Exposição de Paris, realizada em 1900. Era ainda considerado uma novidade moderna recente e não teve presença de destaque até 1915. A partir de então o cinema ganhou outra dimensão nos espaços expositivos, com a criação da produtora Exposition Players Corporation, pelos organizadores da Panama-Pacific International Exposition (San Francisco), para garantir o fluxo contínuo de películas nos espaços expositivos e para a divulgação do evento. (MORETTIN, 2011, p. 233, 236)

[9] Regimento interno da comissão executiva da commemoração do primeiro centenário da Independência política do Brasil. A Exposição de 22, n.1, jul. 1922, p. 28. 

[10] PROGRAMMA para a comemoração do Primeiro Centenário da Independência Política do Brasil. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n. 1, jul. 1922, p. 27. 

[11] A afirmação de Morettin é entendida a partir do estudo de Gomes (1996), que apresenta um panorama do cinema brasileiro, desde a chegada do cinema ao Brasil, em 1896, até 1966. Havia produção de filmes no país, mas não a existência de uma “indústria do cinema” até o período em que ocorreu a Exposição do Centenário. Segundo Gomes (1996, p .8-9), entre 1896 e 1906, o cinema vegetou como atividade comercial de fitas importadas e na fabricação artesanal local, realizada inicialmente por imigrantes. A insuficiência de energia elétrica foi um dos fatores que impediu seu desenvolvimento nesse período. A partir de 1907, com a produção industrial de energia no Rio de Janeiro, o comércio cinematográfico floresceu com a abertura de salas de exibição e o aumento da importação de filmes estrangeiros, contribuindo para que a produção cinematográfica no Brasil fosse bastante estimulada até 1912, quando o cinema artesanal se transforma em indústria cinematográfica nos países mais adiantados. O Brasil começou então a importar filmes da América do Norte e países europeus, que passaram a dominar o mercado cinematográfico brasileiro. Como consequência, a produção nacional enfraqueceu ficando marginalizada e praticamente ignorada pelo público até os primeiros anos da década de 1920. 

[12] O RIO de Janeiro e as grandes phases de seu desenvolvimento. Antecessores de Carlos Sampaio. Ligeiras notas historicas. A Exposição de 1922, Rio de Janeiro, n. 1, jul.1922, p. 5.

[13] Reconstituído a partir de Santos (2011) e da notícia intitulada “Como foi disputada a prova classica da Marathona” (O Paiz, Rio de Janeiro, ano XXXIX, n. 13.862, 3 de out. 1922, p .7).

[14] Neste mesmo ano, foi aprovado o plano geral de arruamento e loteamento desta nova área, que teve as obras iniciadas no ano seguinte, caracterizado o interesse de exploração imobiliária. Também foram inauguradas nessa região as avenidas Pasteur e Portugal (SANTOS, 2011).