. PUVIS. IMPRESSÕES DO "SALÃO". A Noticia, Rio de Janeiro, 8-9 set. 1904, p. 2. - Egba

PUVIS. IMPRESSÕES DO "SALÃO". A Noticia, Rio de Janeiro, 8-9 set. 1904, p. 2.

De Egba

J. Baptista que já foi João Baptista da Costa é um admirador de paisagens. Para ele não há como um bom campo cheio de sol, ou levemente melancolizado por brumas e nevoeiros. E quando não tem um campo, serve-lhe mesmo um jardim, tanques, ou mesmo uma chácara de couves e nabos. E não deixa de ter razão. É da lavoura e da terra que vêm todas as riquezas. A arte suprema idealizadora do esforço humano, não pode desprezar esse trabalho. J. Baptista vai mais longe ainda, e mostra-se um vegetariano extremado. Para ele não é necessário que o campo seja extenso e abundante. Nem precisa mesmo que seja campo o terreno que ele transplanta para a tela.

Basta-lhe que ele tenha um tufo de ervas ou uma árvore mesmo mirrada. A caça de passarinhos representa um rapaz com uma gaiola na mão à espera que os incautos habitantes do espaço se venham ingenuamente meter na armadilha. É como se vê um belo tema artístico que já Adão conhecera no Paraíso e lhe serviu de agradável passatempo naquela monotonia horrível do Éden. Nem as profundas meditações de Hamlet se lhe sobrepõe.

Quem sabe a íntima psicologia desses peraltas? Apenas aquele quadro assim isolado está incompleto. Falta-lhe qualquer coisa, talvez outro quadro que lhe sirva de pendant, por exemplo A caça de moscas! J. Baptista na pintura faz concorrência ao Dr. Vieira Fazenda e registra na tela os cantos da cidade que lhe parecem mais pitorescos. Lá estão a Copacabana, Manguinhos, a praia do Vidigal e uma escadinha no mesmo Vidigal. A Copacabana podia talvez dispensar esse registro, principalmente depois que desapareceram de lá os cajueiros. A praia do Vidigal e Manguinhos estão também no mesmo caso. Mas a escadinha não é o quadro de J. Baptista [sic] tem a utilidade incontestável e valiosa de um indicador. A escadinha está se vendo que é um lugar perigoso, de um acesso difícil. Todos os cuidados serão poucos e para evitar um desastre é necessário estudá-lo como se estuda um campo inimigo. Só assim se pode subir por essa escadinha. É, pois, o quadro do ilustre paisagista muito útil aos moradores do lugar, principalmente em noites escuras e úmidas. - Puvis.


Digitalização de Mirian Nogueira Seraphim

Transcrição de Vinícius Moraes de Aguiar

PUVIS. IMPRESSÕES DO "SALÃO". A Noticia, Rio de Janeiro, 8-9 set. 1904, p. 2.

Ferramentas pessoais
sites relacionados