. P. A XXXVI EXPOSIÇÃO GERAL DE BELAS ARTES. O Jornal, Rio de Janeiro, 16 ago. 1929, p. 3. - Egba

P. A XXXVI EXPOSIÇÃO GERAL DE BELAS ARTES. O Jornal, Rio de Janeiro, 16 ago. 1929, p. 3.

De Egba

O ambiente novo da nossa mostra de arte oficial - Uma rápida impressão dos trabalhos expostos

O “salão” deste ano, ou melhor, em linguagem oficial, a XXXVI Exposição Geral de Belas Artes, está aberto já ao público, durante o dia e a noite, conforme O JORNAL noticiou. Damos, a seguir, uma ligeira impressão da nossa mostra oficializada, que se anunciou este ano, segundo os rumores correntes nos meios artísticos, com intenções bem especificadas de se fazer uma rigorosa seleção, pelo júri. Ninguém poderá avaliar da justeza dessa escolha, feita aliás por artistas, em parte, escolhidos pelos expositores, visto que apenas vemos os trabalhos que ficaram. Entretanto, realmente, pode-se dizer que o “salão” deste ano oferece um aspecto mais equilibrado, e com maior unidade do que nos outros anos.

Percorrendo aquelas salas, de uma suntuosidade artística lisonjeira para um país novo como o nosso, sem grande tradição artística, apesar de ser a única existente na América, notam-se logo, à primeira vista, trabalhos de valor, que se destacam.

Assim, por exemplo, esse magnífico retrato da sra. Glorinha Strobel, do sr. A. Veiga Guignard, ou, mais adiante, o que é raro entre nós, um quadro religioso, “Após a cruz”, do pintor Balthasar da Camara, de outra escola, mas de certa serenidade dolorosa. Em outra sala, entre aquarelas, o desenho curiosíssimo, do sr. Eugenio Sigaud, o “Saci-pererê”. Muito claro, mesmo da terra do sol, o “Feira do Norte”, do sr. Euclydes Fonseca.

Entre outros trabalhos, como numa nota melancólica naquela festa de cores moças, os quadros belos e límpidos do sr. Garcia Bento, cuja morte foi uma perda sensível para a nossa arte, interrompendo-se assim uma das mais harmoniosas evoluções artísticas que temos tido.

O sr. Wilfer Horst, artista estrangeiro, concorre com um trabalho interessante, o “Sinfonia”, tal como o sr. Helios Seelinger, com o seu painel decorativo “Carnaval”.

Henrique Cavalleiro, nosso companheiro de trabalho, enviou ao “salão” três esplêndidos quadros, destacando-se entre eles, pela sua soberba luminosidade, temperada apenas pela sonolência da tarde, a “Paisagem” n. 82.

Entre os concorrentes ao prêmio de viagem, a sra. Sarah Villela de Figueiredo, com as suas figuras admiráveis, como o retrato de “Miss Espírito Santo”, onde, vestindo formas desenhadas com segurança, realça a pompa dos brocados e das sedas, o sr. Joaquim da Rocha Ferreira, com um retrato do sr. C. Irisar, feito com uma técnica moderna e agradável, os quadros tão brasileiros do sr. Jordão de Oliveira, e o retrato do sr. Hernani de Irajá, pelo pintor Orlando Teruz, destacam-se pela sua beleza e pela afirmação artística de seus autores. Assim também a senhorita Solange de Frontin Hess, cujos dois trabalhos, “Entre palmas” e “No terraço” são de notável significação, pelo progresso e pela firmeza de sua evolução.

O sr. Arthur [sic] Vianna [Armando Vianna], recém-chegado da Europa, expõe dois painéis de grande serenidade e limpidez. O sr. Paulo Gagarin, entre os trabalhos que expõe, conta uma vista do Rio de Janeiro, muito justa de cor e luz.

Entre os mestres, o “Barco vermelho”, do sr. Pedro Bruno, surpreende, com uma abertura de luz, esplêndida. Marquez Junior causa admiração com seus quadros. Enfim, em uma impressão geral, a seção de pintura do salão deste ano é bastante animadora e agradável. Na escultura, mais fraca, como sempre, os trabalhos de feição modernista destacam-se com mais vigor, tais como as belas cabeças do sr. Quirino Silva, um “Estudo”, do sr. Barandier da Cunha, e a “Femme nue”, do sr. S. Martins Ribeiro, que talvez seja o melhor trabalho exposto. Oswaldo Teixeira expõe três belos quadros - “Christus”, “Primavera” e outro retrato. Mais adiante vemos um belo quadro, cheio de sol, “Gulosos”, de Almeida Junior [Luiz Fernandes de Almeida Júnior]. Orlando Teruz melhorou muito e apresenta dois quadros bons. M. Constantino dá-nos uma tela de arte - “Um nu”. Jordão é um dos que sobressaem entre os novos.

Para citar os mestres temos a dizer que Visconti e Parreiras Antonio Parreiras lá estão causando admiração geral.

- P.


Imagens

Alguns quadros expostos: "Primavera", de Oswaldo Teixeira; "Miss Espírito Santo", de Sara Villela Figueiredo; "Mimi", de H. Cavalleiro; "O banho", de A. Vianna; "Evocação", de Chambelland, e "Christus", de Oswaldo Teixeira


Digitalização de Mirian Nogueira Seraphim

Transcrição de Vinícius Moraes de Aguiar

P. A XXXVI EXPOSIÇÃO GERAL DE BELAS ARTES. O Jornal, Rio de Janeiro, 16 ago. 1929, p. 3.

Ferramentas pessoais
sites relacionados