. NOTAS DE ARTE. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 27 set. 1907, p. ?. - Egba

NOTAS DE ARTE. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 27 set. 1907, p. ?.

De Egba

O Sr. Roberto Mendes é um temperamento diverso do do Sr. João Baptista; entrevê a paisagem por um prisma diferente e infunde na translação que dela faz uma nota de comoção espiritual em que a fantasia entra com uma boa dose.

Isto se observa principalmente no quadro A Brisa. As primeiras sombras da noite já se anunciam no horizonte, ainda iluminado pelas colorações alaranjadas do crepúsculo, que se vão difundindo. As águas do lago, em que boia perdida e imprecisa uma pequena canoa, enrugam-se no contato de brisa que perpassa levemente.

Há calma e harmonia no conjunto e a visão do pintor exprime naturalmente o sentimento poético que o dominou.

O quadro Estudo de Mangueiras, talvez melhor de fatura dá a comoção de um dia chuvoso e seria uniformemente bem tratado se o artista houvesse cuidado mais o primeiro plano. É um dos mais interessantes estudos de paisagem da Exposição.

O Sr. Teixeira da Rocha expõe quadros que mostram o cuidado, exagerando talvez, com que se esforça por interpretar a verdade da natureza, eliminando tudo quanto possa concorrer para [...]

Nos quadros de paisagem por ele expostos há o mesmo consciencioso cuidado e acabamento de sempre.

No catálogo aparece um nome novo, é do Sr. Louis Christophe, um patrício nosso educado em Paris, e que apresentou dois quadros que demonstram sólida educação artística.

O denominado Charmes, de proporções maiores, representa um interior de floresta, cujo solo está alfombrado das folhas secas de que as árvores esguias e altas ficaram quase despidas. Apenas uma pequena figura, a de um homem encostado a uma árvore, assoma à solidão da mata. Esta mesma parece dominada, na sua imobilidade, pelo silêncio, pela semi-escuridão solene que reina em toda a paisagem.

O quadro é de um efeito simples e algo patético e a sua fatura excelente.

O outro quadro seu Debarquement de la sardine - é também muito bom de fatura.

Representa a chegada de barcos de pesca em um porto do norte da França, no longo cais de pedra, junto ao qual estão amarrados os barcos, há uma grande aglomeração de gente, pescadores, aldeões, mulheres do povo, crianças; o dia é sombrio e o céu plúmbeo e carregado de nuvens, prognostica uma borrasca iminente. O mar movimentado corresponde perfeitamente ao aspecto do céu.

Se o primeiro plano parece um tanto grande e haver qualquer desequilíbrio no desenho do cais, o modo pode-se dizer admirável como estão pintados a massa de gente no [...] cheia de vida e movimento, o céu, o mar, faz desse quadro um dos mais interessantes trabalhos da Exposição.

Temos curiosidade de ver como um jovem artista que se apresenta tão cheio de boas qualidades de observação e de execução, tratará a nossa paisagem, exprimirá as impressões profundas e simpáticas que a natureza brasileira não pode deixar de ter despertado em um filho seu tão longamente afastado dela.

O Sr. Germano Neves, que o ano passado apareceu com umas notas de paisagem tão interessantes, expõe este ano cinco estudos que chamam a atenção pela justeza da impressão. O Sr. G. Neves tem também dois retratos, um de homem que tem caráter e é honestamente pintado, e o outro de menina, fino e expressivo.

O veterano artista Insley Pacheco teve uma numerosa exposição de pequenos estudos de paisagem, a óleo e em gouache, vistas da Copacabana, Paquetá e Ilha do Governador, feitas na sua conhecida maneira, em que a realidade é entrevista através de um prisma algo fantasista.

O Sr. Gustavo Dala'Ara [sic], um veneziano e portanto colorista, tem duas paisagens que não nos agradaram.

Na denominada Rua Direita, uma grande aquarela pintada sobre tela, o abuso do amarelo gema de ovo dá uma tonalidade desagradável ao quadro. Parece-nos também que o quadro se ressente de um defeito de perspectiva, que faz o Morro do Castelo ficar quase a cavaleiro da Rua Primeiro de Março.

No quadro vista da Glória as cores são demasiado irritantes e produzem má impressão.

O Sr. Dala'Ara expõe também dois retratos, um de homem e outro de senhores, mais discretamente pintados.


Digitalização de Arthur Valle

Transcrição de Vinícius Moraes de Aguiar

Editando NOTAS DE ARTE. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 27 set. 1907, p. ?.

Ferramentas pessoais
sites relacionados