. NOTAS DE ARTE. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 21 set. 1905, p. 3. - Egba

NOTAS DE ARTE. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 21 set. 1905, p. 3.

De Egba

Exposição Geral de Belas Artes - A paisagem é ainda representada na Exposição por artistas como Benno Treidler, as suas duas discípulas as Sras. DD. Anna [Anna da Cunha Vasco] e Maria Cunha Vasco; A. Luiz de Freitas, Gustavo Dall'Ara, Carlos Augusto de Lacerda, João Macedo, D. Sarah del Vecchio, etc.

Benno Treidler é o nosso impressionista por excelência, no bom e verdadeiro sentido do termo como hoje é ele compreendido.

Os seus quadros a óleo, em que mais raramente se mostra, mas em que, quando os apresenta, se mostra mestre da sua técnica, bem como as suas aquarelas no que já é o mestre consagrado, são sempre impressões vívidas de efeitos pouco duráveis, impressões transitórias de luz, mais sólidas e mais completas, porém, do que simples esboços, do que meras sugestões, conservando todavia a frescura e o vigor da primeira intenção.

Alemão de origem, tem, todavia, a impressionabilidade de um meridional pelas cores fortes, e durante muito tempo a acusação que se lhe fazia era de crueza de tintas que nem todos viam na natureza.

Atualmente, refreou essa tendência de sua visão, e os seus quadros apresentam tonalidades mais suaves, sem deixar de transmitir a sensação das cambiantes vivas de luz e de cor, nem abandonar a largueza e vigor da sua técnica.

O seu quadro a óleo, Manhã, é uma luminosa paisagem cheia de sol, atmosfera brilhante e horizonte largo, que prescindia bem da figura nela metida. As suas aquarelas são, como sempre, largamente manchadas e vibrantes.

Não devemos esquecer o seu sólido e bem desenhado retrato de senhora em aquarela.

Como é natural, as suas discípulas, as senhoritas Cunha Vasco seguem-lhe as pegadas, mas com as suas notas pessoais, e uma segurança de execução que lhe granjearam uma 2ª medalha, prêmio que os júris não costumam conceder a amadores.

O quadro - N. 68, um mar revolto e as vistas de paisagem, tiradas do Corcovado, são belas e de execução segura e franca.

De A. Luiz de Freitas há quatro paisagens, […] que se descortina sempre a preocupações dos efeitos de luz e de atmosfera, procurados com grande sinceridade e com resultados muito felizes.

É um pintor consciencioso e de qualidades sólidas, e que vai modesta porém seguramente conquistando o seu lugar entre os nossos bons artistas.

Gustavo Dall'Ara se distingue também pela exuberância cromática da sua visão, com águas e céus inundados de luz e os seus fundos de morros com casaria dando ensejos a notas variegadas. Muitos dos seus quadros têm sido registros de aspectos da nossa cidade velha que vão desaparecendo, e ainda nas atuais marinhas da Exposição, os trechos pintados estão sofrendo modificações em consequência das obras do melhoramento do nosso porto.

Carlos de Lacerda, quando há anos chegou da Europa, expôs alguns quadros, principalmente marinhas, que despertaram interesse pela sua nota de sinceridade e por uma técnica delicada e sóbria e das quais uma mereceu a distinção de ir fazer parte da nossa Galeria Nacional. Outra ordem de preocupações o tiveram arredado da arte durante alguns anos, e agora aparece-nos ele com três quadros, em que procura traduzir com verdade aspectos da nossa paisagem.

Do Sr. Theodoro Braga, pouco ou nada teríamos a acrescentar ao que dissemos, não há muito tempo, quando tratamos da exposição que fez dos seus trabalhos pintados na Europa, e o mesmo podemos dizer do Sr. Alvaro de Cantanheda, que se acha atualmente em Teresópolis, de onde provavelmente trará dentro em breve interessantes impressões e quadros.

O Sr. Malaguti tem um quadro que não pode ser passado por alto sem uma palavra de referência.

Embora não seja fácil compreender a sugestão ou o simbolismo contido no seu quadro denominado Quietude e representado uma mulher já madura, tendo ao colo, amparada com o braço direito, uma criança adormecida e muito pálida, e na palma da mão esquerda uma laranja, o seu trabalho acusa uma procura de individualidade artística e maior cuidado técnico do que o artista nos tem acostumado em anos anteriores. O seu talento é reconhecido por todos, e se desse maior preocupação à técnica, talvez tornasse mais geralmente compreendidos os seus ideais, que, entretanto, quaisquer que sejam as impressões que causem, têm o mérito de ser inteiramente próprios.


Digitalização de Arthur Valle

Transcrição de Vinícius Moraes de Aguiar

NOTAS DE ARTE. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 21 set. 1905, p. 3.

Ferramentas pessoais
sites relacionados