. A XXXIV EXPOSIÇÃO GERAL DE BELAS ARTES - Realizou-se ontem o "vernissage" dos trabalhos expostos - A seção de arte aplicada. O Jornal, Rio de Janeiro, 12 ago. 1927, p. 3. - Egba

A XXXIV EXPOSIÇÃO GERAL DE BELAS ARTES - Realizou-se ontem o "vernissage" dos trabalhos expostos - A seção de arte aplicada. O Jornal, Rio de Janeiro, 12 ago. 1927, p. 3.

De Egba

Realizou-se, ontem, o “vernissage” da XXXIV Exposição Geral de Belas Artes, cuja inauguração oficial hoje terá lugar, às 14 horas, com a presença do presidente da república.

Foi uma cerimônia íntima, na qual apenas tomaram parte os artistas, alguns jornalistas, e o sr. Victor Konder, ministro da Viação que foi olhar o seu retrato executado por Meinhard Jacoby, uma das telas que figuram no “Salon”.

Depois de termos divulgado vários dos trabalhos expostos nas seções de pintura e escultura, vamos hoje ocupar-nos de uma das mais interessantes, embora muito pouco apreciada: a arte aplicada.

Quase todos os anos passa ela completamente despercebida do público, embora sua importância, na arte de qualquer povo, seja insofismável. Pode-se dizer mesmo que a arte aplicada, aplicada às mais variadas indústrias, às mais variadas utilidades práticas enfeixa em si, como arte decorativa que é todo o caráter artístico de um povo.

Todavia, como entre nós, pouco se liga a esse gênero, fogem todos de a ele se dedicar e daí resulta que o “Salon” fica sempre vazio de manifestações de arte aplicada.

Este ano, felizmente, apesar de serem apenas quatro os concorrentes, há nessa seção uma obra apreciável, sobretudo no que se refere às plásticas em couro, executadas pelas senhoras Maria Hirsch da Silva Braga e Joanna Parlowna de Oven Grentner, e às estilizações do professor Theodoro Braga.

É a seção do “Salon” em que se evidencia nitidamente uma ânsia de criar qualquer coisa com caráter brasileiro original e novo.

Os motivos indígenas, sobretudo extraídos das cerâmicas do marajoaras, predominam nos trabalhos da senhora Maria Braga e do professor Theodoro Braga que, assim, mais uma vez contribuem para o estímulo dessa corrente que tende para a formação de uma arte genuinamente brasileira da qual, de resto, o esforço do professor Theodoro Braga foi o primeiro marco.

Damos a seguir a lista dos trabalhos expostos na seção de arte aplicada:

Iracema Dutra - Vaso (estilo grego); Quadro estilo japonês, (Le guerrier nipon d’autrefois); Quadro estilo japonês; Banco e mesa (estilo oriental); Pasta e mestanho [sic]; Vaso modelagem.

Joanna Pavlowna de Oven Grentener - Plásticas em couro: a) pasta, b) porta-charuto.

Maria Hirsch da Silva Braga - Cofre em couro, alta [sic] relevo, com decorações de galhos de café em frutos; Almofada em couro, baixo relevo, com decorações inspiradas nos motivos da cerâmica Marajoara; Bolsa em couro, baixo relevo, ornamentada com motivos decorativos de desenhos dos vasos indígenas Paráuaras; Coberturas para livros, em couro, baixo relevo, com folhas de arvore paulista estilizadas - Inverno em S. Paulo: Cobertura para livros em couro, baixo relevo - Pensativa; Encadernação da obra “Retirada da Laguna”, do imortal visconde de Taunay.

Theodoro Braga - A sombra de um vitral, iluminura em pergaminho, decorando a poesia desse título do poeta João Felisardo: Uapé - Yapona, tapete inspirado na majestosa flor amazônica. Vitória Régia, composição original de Theodoro Braga e executado na Manufatura de tapetes “Santa Helena”, S. Paulo; Lírio Amazônico (Eucharis amazonica), castiçal em ferro batido, desenho original de Theodoro Braga e executado na seção de serralheria da Escola Profissional de Rio Claro, S. Paulo; Orquídeas. Chalé em seda nacional, composição original de Theodoro Braga e executado em “batik” nacional, por Domenico Busnelli; Estojo em guatambu, composição decorativa inspirada nos desenhos dos extintos índios da Ilha Marajó, original de Theodoro Braga e executado por Domenico Busnelli; Vaso decorativo em guatambu de acordo com ornamentação adotada das decorações indígenas Marajoaras, original de Theodoro Braga, executado por Domenico Busnelli; Caixa para jóias, em guatambu, composição sobre motivos indígenas brasileiros, original de Theodoro Braga, execução de Domenico Busnelli; Caraná, projeto de coluna (palmeira amazônica), composição original de Theodoro Braga e execução do escultor Vicente Laroca; Letras ornadas, composição de arte decorativa para ilustrações de livros (ornamentos tipográficos); Mangueira em flor, projeto original, inspirado na flora brasileira, para tecelagem de colgaduras; Tapete, projeto de tapete (com decorações estilizadas de motivos indígenas marajoaras) a ser executado pela Manufatura de tapetes “Santa Helena” de São Paulo, para o salão da Prefeitura daquela capital; Estojo em guatambu, composição decorativa inspirada em desenhos indígenas marajoaras, original de Theodoro Braga e executado por Domenico Busnelli; Vaso decorativo em guatambu, idem, idem.


Imagens

A nossa gravura reproduz vários aspectos de trabalhos da seção de arte aplicada, vendo-se o chalé marajoara composto pelo professor Theodoro Braga, o cofre em couro esculpido com decorações de galhos de café em frutos, da senhora Maria Braga, a pasta em couro da senhora de Oven Grentener e um recanto da seção com trabalhos daqueles dois primeiros artistas citados.


Digitalização de Mirian Nogueira Seraphim

Transcrição de Andrea Garcia Dias da Cruz

A XXXIV EXPOSIÇÃO GERAL DE BELAS ARTES - Realizou-se ontem o "vernissage" dos trabalhos expostos - A seção de arte aplicada. O Jornal, Rio de Janeiro, 12 ago. 1927, p. 3.

Ferramentas pessoais
sites relacionados