. AMADOR, Bueno. BELAS-ARTES. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 set. 1913, p.7. - Egba

AMADOR, Bueno. BELAS-ARTES. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 set. 1913, p.7.

De Egba

Edição feita às 15h17min de 18 de Março de 2013 por Egba (Discussão | contribs)
(dif) ← Versão anterior | ver versão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

O Salão de 1913 - A HORA TEATRAL - A comissão organizadora da vigésima exposição geral de Belas Artes, composta dos professores Srs. E Sivardet [sic], Heitor de Mello e Lucilio de Albuquerque, em boa hora organizaram a série de sessões de arte às segundas-feiras, atraindo ao salão da Escola de Belas Artes a concorrência notável que se tem presenciado.

Iniciada a série com a “hora literária”, de que participaram os poetas Srs. Luiz Edmundo, Goulart de Andrade e Bastos Tigre, surgiu de pronto o êxito, seguindo-se a “hora musical”, de que participaram os Srs. Maestro Araujo Vianna, Cardoso de Menezes, Pedro Bruno e Eneas Werney Campello, e a “hora humorística”, em que figuraram os Srs. Calixto Cordeiro, J. Carlos, Luiz Peixoto e Raul Pederneiras.

Ontem, tiveram as pessoas de bom gosto, que enchiam o salão da exposição, a dita de uma “hora teatral”, em que figuraram os nossos principais artistas, como os Srs. Ferreira de Souza, João Barbosa e outros. Foi uma hora de muito agrado, em que foram recitados monólogos leves e poesias de mérito, aumentando-se assim o êxito da série de sessões de arte tão bem estabelecida pela comissão.

Para segunda-feira próxima, segundo nos consta, teremos “as quatro horas”, ou antes, a sessão englobada em que se apresentarão todos os que contribuíram para o êxito completo dessas interessantes horas, originais e agradabilíssimas, fechando-se assim, com chave de ouro, uma das mais apreciáveis lembranças de arte do Salão de 1913.

Bueno Amador.


Digitalização de Mirian Nogueira Seraphim

Transcrição de Vinícius Moraes de Aguiar

AMADOR, Bueno. BELAS-ARTES. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 set. 1913, p.7.

Ferramentas pessoais
sites relacionados