. ALVES, Gonçalo. Notas do “Salon” - GUTTMAN BICHO. A Noite, Rio de Janeiro, 12 set. 1912, p. 1. - Egba

ALVES, Gonçalo. Notas do “Salon” - GUTTMAN BICHO. A Noite, Rio de Janeiro, 12 set. 1912, p. 1.

De Egba

O jovem artista cuja obra exposta no atual "salon" pretendo hoje analisar, é realmente transbordante de entusiasmo pela sua carreira. Apenas esse entusiasmo, sobre ser excessivo, é contraproducente, pois arrasta o talentoso artista a fazer demonstrações de força nem sempre coroadas de pleno sucesso.

O Sr. Gutmman Bicho concorre com quatro retratos, um dos quais de grande aparato e mais uma paisagem. Para que tanto?

Todo aquele esforço realmente muito apreciável que o artista distribuiu, aliás, sem boa proporção pelos seus numerosos trabalhos, não teria melhor e mais seguro realce se tivesse sido, todo ele condensado num só quadro, homogêneo e sincero, interpretado honestamente, sem os "trucs" grosseiros de que sua obra se ressente?

Lamento que o artista assim não tenha compreendido, alistando-se voluntariamente parelheiro no sensacional torneio de arte falsa disputado pelos seus colegas Magalhães [Gaspar Coelho de Magalhães], Fanzeres e Capllonch.

Essa fraqueza é tanto mais lamentável, quanto o Sr. Gutmman Bicho possui já qualidades dignas de serem convenientemente aproveitadas.

Vejamos os seus trabalhos, O de número 39, retrato de Lima Campos, não está feliz. O artista abordou um modelo naturalmente dificílimo, para cuja interpretação se fazia precisa uma maneira larga, impetuosa, e segura.

O modelo possui certas indicações anatômicas muito pessoais e características que o artista sacrificou deploravelmente, na impotência de tirar dela [sic] o desejado partido. O desenho daquele retrato é medroso, acanhado. Basta estabelecer a proporção do diâmetro frontal transverso da cabeça.

O modelado é desigual, ora meloso e excessivo como nas comissuras da face, ora massacrado e infiel, como no metacarpo e dedos correspondentes da mão direita.

No retrato n. 41, A. de Giorgio, as qualidades técnicas do Sr. Gutmman Bicho são bem mais interessantes.

Não só o desenho como o colorido, são bastante justos, agradavelmente harmoniosos. Há a notar porém uma perceptível assimetria facial caracterizada pelo erro de valores do modelado da arcada superciliar direita, e região malar correspondente.

Exceção feita dessa pequena falha, esse trabalho e o melhor de quantos o artista expõe.

Mais um retrato: o do Sr. Baptista Junior (41). Reputo-o inferior ao precedente. O colorido é menos sincero, um tanto convencional.

A luminosidade revelada pelo modelado do rosto é igualmente arbitrária e falsa.

Passados em revista os três retratos masculinos, resta-nos o retrato de Mme. M. G., quadro de grande aparato, no gênero daqueles que Sargent costuma expor nos Salons de Paris.

Mme. M. G. esta "costumée" com um elegantíssimo vestido cor de rosa, sentada num rofo canapé. O cenário pretensioso e buscado é o de um "boudoir" elegante, menos o tapete com cara de urso...

Para alijar cinquenta por cento das dificuldades prováveis, o Sr. Gutmman Bicho impôs ao seu modelo uma torturante rotação sobre o lado direito, de modo a apresentar ao seu pincel pouco experiente todas as delícias de um rosto de perfil. Há nesta pose artificial e buscada, uma influencia manifesta do talento do Sr. Antonio Parreiras, o artista de fancaria a quem tem sido confiada a inglória tarefa de aleijar do modo o mais horrendo, todas as personagens históricas da nossa pátria.

Desde o arranjo pretensioso da composição até aos últimos detalhes do acabamento, o retrato de Mme. M. G. compromete desastradamente a capacidade do Sr. Gutmman Bicho, pondo em relevo a inabilidade de seu desenho complicado da falta de valores do seu colorido.

Poupando a mim mesmo o desprazer de prolongar a crítica sobre esse detestável quadro, tenho a esperança de que o jovem artista encaminhe com mais critério a sua arte, para não expô-la a tão crítica situação.

Chego afinal à única paisagem com que o artista concorre (42). É um corte interessante, com boa perspectiva.

O colorido está um pouco cru, o que não admira, porque o artista está mais afeito ao modelado da figura humana.

O Sr. Gutmman Bicho que é muito moço, terá certamente oportunidade de medir melhor as suas forças, governando-as ao mesmo tempo com mais acerto.

É esse o meu sincero desejo.

GONÇALO ALVES.


Imagem

Guttman Bicho


Digitalização de Mirian Nogueira Seraphim

Transcrição de Andrea Garcia Dias da Cruz

ALVES, Gonçalo. Notas do “Salon” - GUTTMAN BICHO. A Noite, Rio de Janeiro, 12 set. 1912, p. 1.

Ferramentas pessoais
sites relacionados