Termos de julgamento das provas dos Concursos ao Prêmio de Viagem em pintura durante a Primeira República

.

organização de Arthur Valle

.

VALLE, Arthur (org.). Termos de julgamento das provas dos Concursos ao Prêmio de Viagem em pintura durante a Primeira República. 19&20, Rio de Janeiro, v. II, n. 2, abr. 2007. Disponível em: <http://www.dezenovevinte.net/documentos/pareceres.htm>.



*    *    *

O Prêmio de Viagem ao Estangeiro (leia-se Europa) foi, durante a Primeira República brasileira, a mais importante recompensa que um aluno regularmente inscrito na Escola Nacional de Belas Artes (ENBA) podia ambicionar. Consistia basicamente em uma pensão de cinco anos, subvencionada pelo Governo, visando ao aperfeiçoamento do artista em formação nos mais eminentes centros do Velho Mundo. Durante o período aqui delimitado (1889-1930) foram realizados 25 concursos ao Prêmio de Viagem [ver Tabela anexa], sendo que destes quase a metade - 12 -, couberam a alunos do curso de Pintura. Abaixo se encontram transcritos, a partir de originais pertencentes ao Museu Dom João VI da EBA/UFRJ, os termos de julgamento e alguns outros documentos relativos a esses concursos destinados a pintores. As transcrições, que procuram manter a grafia original, vão aqui acompanhadas de reproduções até o presente momento reunidas das provas realizadas pelos concorrentes por ocasião de tais concursos - academias pintadas ou desenhadas, composições e seus esbocetos. [...] designa trechos ilegíveis no original.

.

*

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6045.

Termo de Julgamentos das provas para o lugar de pensionista do estado na Europa, assinado por Rodolpho Bernardelli, Rodolpho Amoêdo, Henrique Bernardelli e Pedro Weingartner com os pseudônimos utilizados pelos candidatos Raphael Frederico, J. Fiúza Guimarães, Eliseu Visconti, José Luís Ribeiro, em provas de concurso.

Escola Nacional de Bellas Artes

Capital federal, 17 de novembro de 1892

Termo de julgamento da prova de modelo vivo no concurso ao lugar de pensionista do Estado na Europa.

No dia 17 de novembro de 1892, á 1 hora da tarde, reunidos os professores Rodolpho Amoedo, Henrique Bernardelli, Pedro Weingartner, da comissão julgadora, presentes os cidadãos Director e Secretário, deliberaram aceitar todos os trabalhos que constituem a primeira prova de concurso, estabelecendo a seguinte classificação conforme o merecimento d’esses trabalhos:

1º lugar – o trabalho marcado – ▲ – [1]

2º lugar – trabalho marcado – Arte e Liberdade –

3º lugar – o trabalho marcado – Cupio Discere –

4º lugar – o trabalho marcado – ? –

Deliberaram mais os membros da comissão julgadora que os envelopes contendo os annagrammas pertencentes aos candidatos seriam abertos no acto de entrada dos mesmos para [Verso] a 2ª prova, e que fosse afixada na portaria a classificação assim referida, do que foi resolvido lavrar o presente termo, assignando-o os professores- o cidadão Director e Secretário.

Capital Federal, 17 de novembro de 1892

(assignados)

Rodolpho Bernardelli, Rodolpho Amoêdo, Henrique Bernardelli, Pedro Weingartner, Modesto Brocos y Gomes, Sr. [...] José Teixeira – secretario.

__________________________________________________

[1] Trata-se aqui de um pequeno erro do redator do documento: o anagrama utilizado pelo candidato a pensionista - na verdade, Eliseu Visconti, como revela a Acta da secção do Conselho Escolar de 26 de dezembro de 1892, transcrita abaixo -, foi um triângulo invertido (▼).

..

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação: 6045.

Termo de Julgamentos das provas para o lugar de pensionista do estado na Europa, assinado por Rodolpho Bernardelli, Rodolpho Amoêdo, Henrique Bernardelli e Pedro Weingärtner com os pseudônimos utilizados pelos candidatos Raphael Frederico, J. Fiúza Guimarães, Eliseu Visconti, José Luís Ribeiro, em provas de concurso.

Escola Nacional de Bellas Artes

Capital Federal, 26 de dezembro de 1892

Termo de julgamento da 2ª e 3ª provas do concurso para o lugar de pensionista do Estado na Europa.

No dia 26 de dezembro de 1892, ás 9 horas da manhã, reunidos os professores da secção de pintura Henrique Bernardelli, Rodolpho Amoêdo e Modesto Brocos y Gomes, que constituem a Comissão julgadora, presentes o cidadão Director, o Secretário e o professor de desenho figurado, Pedro Weingartner, designado pelo cidadão Director para auxiliar a Comissão, resolveu esta proceder ao julgamento dos trabalhos que representão as 2ª e 3ª provas do concurso, e designar o lugar de permanencia na Europa do candidato premiado. Na própria sala do concurso á vista do modelo collocado na posição anteriormente escolhida para a 2ª prova, e á vista dos esboços de composição, trabalho [Verso] da 3ª prova, foi feito o julgamento pelos membros da comissão, os quaes lavraram os seus pareceres (votos) motivados, na forma do art. 4º cap. 5º do regulamento vigente. Estes votos foram consubstanciados no processo do professor Amoedo, escolhido relator da Comissão.

Escola Nacional de Bellas Artes 26 de dezembro de 1892.

(assignados) Rodolpho Bernardelli, Henrique Bernardelli, Rodolpho Amoedo – relator –Modesto Brocos y Gomes.

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação: 6045.

Termo de Julgamentos das provas para o lugar de pensionista do estado na Europa, assinado por Rodolpho Bernardelli, Rodolpho Amoêdo, Henrique Bernardelli e Pedro Weingartner com os pseudônimos utilizados pelos candidatos Raphael Frederico, J. Fiúza Guimarães, Eliseu Visconti, José Luís Ribeiro, em provas de concurso.

Julgamento do concurso para o prêmio de viagem

- Parecer da comissão -

2ª prova – modelo vivo pintado.

O jury adoptou para esta como para a 3ª prova o systema de classificação por ordem numérica que prevaleceu na 1ª prova.

No 1 (Adeus) [Figura 1] É o que melhor satisfaz quanto a compreheensão do caracter do modelo e o que melhores qualidades apresenta de pintor e desenhador.

No 2 (Deotilio) deve ser mencionado pelo espírito da simplicidade que prezidio á execução embora a construcção do dezenho deixe a dezejar.

No 3 (tempo ao tempo) A differença que resulta da comparação com o modello é tal que não tem o Jury a menor duvida no considera-lo muito inferior aos dous primeiros.

No 4 (Talvez) Não contem qualidade alguma que justifique qualquer classificação.

3ª prova (um esboceto de um assumpto tirado à sorte d’entre dez organizados pelos professores technicos)

= Apparição de três anjos a Abrahão =

O No 1 (Adeus) É considerado composição superior em effeito, phantasia e arranjo.

O No 2 (Deotilio) Tem uma certa sobriedade de côr e effeito que convem bastante ao assumpto d’esta ordem; mas a composição quanto ao arranjo é infeliz.

Aos No 3 e 4 (tempo ao tempo, e, Talvez) faltam qualidades de arranjo e de effeito.

[Verso] Em conclusão o júri considera digno do premio em ambas as provas com vantagem grande sobre os outros o No 1, e designa Paris como a cidade em que deverá permanecer o pensionista, pagando-se-lhe a pensão igual áquella que percebiam os pensionistas da ex-academia, bem como a respectiva ajuda de custos. O jury louva a ordem com que se comportaram os concurentes e a assiduidade de que deram provam durante a execução d’este concurso.

Escola Nacional de Bellas Artes. 26 de dezembro de 1892

(assignados)

o relator Rodolpho Amoedo, Henrique Bernardelli, Modesto Brocos y Gomes.

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6154.

Actas das sessões do Conselho Escolar

[18 verso] Acta da secção do Conselho Escolar em 26 de dezembro de 1892

Presidência do cidadão Diretor

Passa-se á ordem do dia: resultado do concurso de premio de viagem á Europa. É lido o parecer do relator da Comissão julgadora, o qual é approvado. São abertos os envelopes contendo os annagramas dos candidatos, e reconhecido candidato premiado o alumno Angelo Visconti, á quem pertence o annagrama – Adeus – É approvada a indicação mandando inserir em acta d’esta sessão os termos do julgamento das provas, o parecer do relator da Comissão julgadora, bem como os annagramas dos candidatos e os pontos que serviram para a 3ª prova. Tudo vai abaixo transcripto.

[...] Pontos: - 1º Genesis – cap. XVIII Apparição dos três anjos á Abrahão – 1 Outra vez appareceu o Senhor á Abrahão no valle do..., quando elle estva assentado á porta da sua tenda no maior calor do dia. 2 E tendo Abrahão levantado os olhos, (a) apparecerão tres homens que estavão em pé junto á elle. Tanto que elle os vio correu da porta da tenda á recebel-os; e prostrado em terra os adorou (a) apparecerão tres homens; [...] que estes três homens representarão as tres divinas pessoas da Trindade Beatissima. 2º Genesis – cap. XIX A mulher de Lot he convertia em estatua de sal. A mulher de Lot porque olhou para traz (g) ficou convertida [...] estatua de sal. 3º Caramuru – poema épico – por Fr. José de Santa Rita Durão – Canto VI pág. 181 – Moema – XLII Perde o lume dos olhos, pasma e treme, pallida a cor, o aspecto moribundo, com a mão já sem vigor, soltando a [...] , entre as salsas escumas desce ao fundo. Mas na onda do mar que irado freme, tornando a affarecer desde o profundo, Ah, Diogo cruel! disse com magoa, e sem mais vista ser magoa. 4º Volume II – Juizes – cap XIII Annuniciação do nascimento de Sansão. 20 E quando subiu a chamma do altar ao céu, subiu também anjo do Senhor e sua mulher, cahirão com os rostos em terra 5º Genesis – Cap II pág, 8 – Creação de Eva 21 [...] pois o Senhor Deus em profundo somno á Adão; e quando elle estava dormindo, tirou uma de suas costellas, e enchendo de carne o [...] d’onde tinha tirado Ponto 22 – E da costella que tinha tirado de Adão, formou o Senhor Deus a mulher e a deo a Adão 6º Historia do Brasil de Southey “A confissão de Calabar” Vol II pag. 302 Cap XVI o confessor foi Sr. Manuel de Salvador, que mais tarde tomou não vulgar parte nesta longa contenda, de que nos deixou singular e interessantissima historia. [...] o paciente que os bens que tinha no Recife e o saldo que lhe devião os Estados, fosse tudo, pagas as dívidas, entregue a sua mãe Angela Alvares, pedido que facilmen [20 recto] te foi cumprido pelo digno [...] Interrogado se sabia d’algum portuguez que estivesse em traiçoeira correspondencia com o inimigo, respondeu Calabar que sobre este capitulo muito sabia, não sendo dos mais [...] as pessoas implicadas, mas que a respeito queria consultar com seu confessor, não desejando gastar o pouco que lhe vida lhe restava em fazer accusação e depor perante um escrivão, quando de arrepender-se de seus pecados e por-se bem com Deus. O que elle revelou ao Sr. Manuel foi communicado ao general que por mais teve [...] fazer publico, etc. 7º - A alma de [...] apresenta-se a Ulysses – A alma de seu camarada, [...] , apresentou-se a primeira – etc. Odissea – Canto XI parag.2, pág.183 8º Genese – pag. 91 Cap. XXIX [...] 11 Encontro de Jacob com Raquel [...] E depois de ter dado de beber ao seu rebanho beijou á Raquel e levantando a voz chorou. 9º Ulysses e [...] – Enfim, tomando Ulisses pelo queixo, disse-lhe: Sim, tu és Ulysse, etc. Odissea Canto XIX parag.5, pág.338 10º Honras funebres feitas a [...] Quando appareceu a Aurora de dedos de [...] eu enviei meus camaradas ao poço de Circe para trazer o corpo [...] de [...] Depois de Haver cortado lenha e sobre o ponto mais elevado da ribeira, nos queimamos o morto lamentando-nos e chorando abundantemente. Odysséa – Canto XIII parag.1 pag.203 - Annagramas - ▼ E. Visconti – Arte e Liberdade J. Fiuza Guimarães. Cupio Discere - Rahael Frederico. ? – José Luiz Ribeiro (na 1ª prova). Adeus - Visconti, Tempo ao tempo, J. Fiuza Guimarães - Talvez - Luiz Ribeiro (nas 2ª e 3ª provas) Deotilio - Raphael Frederico (nas 2ª e 3ª provas)

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação: 6154.

Actas das sessões do Conselho Escolar

[23 verso] Acta da secção do Conselho Escolar em 2 de dezembro de 1893

Cópia do parecer da comissão “examinando detidamente as provas de concurso ao Premio de Viagem, julgamos a do candidacto que se assigna pelo pseudonimo - “Brazil” - [Figura 2] a que mais se destaca pela boa harmonia do trabalho, pelas justas proporções e também pelo caracter, que é o que mais se aproxima do modelo, e alem disso pelo colorido mais de accordo. A prova que não foi assignada não está, por assim dizer, terminada; tem no entanto movimento bem sentido, boas proporções e conserva algo do caracter do modelo; no tocante a côr nota-se que ao candidato lhe [...] a pratica continua do pincel. A prova firmada pelo pseudônimo “Ego Ipson” (textual) não está mal comprehendida no movimento geral, tem qualidades de modelado, não lhe falta caracter na cabeça do modelo, mas não apresenta proporções geraes, o desenho é incorreto e a côr falsa. O candidato “... e Pietro” acha-se tão longe do modelo, um pela [...] das formas, e outro pelo [...] das mesmas, que não merece classificação. Passamos pois à julgar as composições, e achamos que a do candidato – Brazil” – é a que melhor representa o assumpto; o arranjo é original, tem certo brilhantismo na côr e não lhe falta sentimento. Do candidato que não se assignou tem bastante expressão e sentimento, a tonalidade geral tem merecimento, mas arranjo da composição é fraco. As dos outros concorrentes, [24 recto] pela monotonia da composição, falta de comprehensão do assumpto, não merecem ter classificação. A vista pois do que acabamos de [...] somos do parecer de que seja concedido o “Premio de Viagem”, ao candidato “Brazil”, e que em segundo lugar seja classificado o candidato que deixou de assignar, e em terceiro o candidato [...] pson” (textual). Designamos a cidade de Paris para residência do pensionista durante os dous primeiros annos, e a Italia nos últimos; pagando-se-lhe a pensão que recebiam os pensionistas da antiga Academia, e a respectiva ajuda de custo; como foi feito ao candidato premiado no concurso realizado no anno próximo passado. Escola Nacional de Bellas Artes, em 2 de dezembro de 1893 (assignado Belmiro de Almeida relator, Modesto Brocos y Gomes e Augusto Girardet)

N.R. O candidato que se assigna pelo pseudonymo “Brazil”, verificou-se ser Raphael Frederico.

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação: 6154.

Actas das sessões do Conselho Escolar

[32 recto] Acta da secção do Conselho Escolar em 10 de dezembro de 1894

Julgamento das provas do concurso ao premio de viagem, considerando as difficuldades com que tiveram que lutar os concorrentes ao premio desse anno, taes como a impropriedade da sala em que tiveram que fazer a prova de modelo-vivo pintado, sala em que nem as commodidades de luz oferecia aos que nella foram obrigados, por falta de outro local, a trabalhar nesse concurso e outras de menos importancia; não pode deixar de louvar os concorrentes em geral pelo esforço de que deram prova. Das quatro telas representando modelos-vivos pintados e dos quatro esbocetos, cujo ponto foi: “A crueza de Maciel” (História do Brasil de Southey), destacou a comissão aquelas assignadas como o pseudonymo Alma-Mater. Pareceu a comissão que este concorrente reunia no modelo vivo [Figura 3] o maior numero de qualidades, á saber: mais caracter do modelo presente, feito com mais largueza de factura e de comprehensão da natureza, mesmo no detalhe maior justeza de comprehensão, digo de observação, sendo de grande felicidade a cabeça, e tem sobre todos os outros a vantagem de estar melhor collocada na tela, não só a figura como os acessórios, não somente quanto ao caracter geral mas ate quanto a comprehensão da perspectiva. Dos esbocetos, o mais movimentado e o que melhor traduz o assumpto, formando mais quadro do que qualquer uma outra,, e revelando enfim superioridade, também pareceu a comissão o assignado com o pseudonimo acima indicado. Quanto aos demais, apenas pode ser mencionado o modelo-vivo pintado designado com uma ampulheta num dos ângulos á guisa de annagrama. Os demais não supportando a comparação como nenhum dos dois primeiros [...] a comissão de tratar delles. Os esbocetos com exceção do classificado em primeiro lugar não parecem a comissão estar a altura de estabelecer uma classificação, o que com pezar registra-se. Em conclusão, a vista das razões expostas, propõe a comissão que se de o premio ao concorrente que se assigna como o pseudonymo Alma-Mater, e designa para lugar de [32 verso] sua primeira residência a cidade de Roma. Escola Nacional de Bellas Artes 10 de dezembro de 1894. (Assignados), Rodolfo Amoêdo, Henrique Bernardelli, Modesto Brocos. O professor Brocos pergunta se não seria mais conveniente enviar o alumno premiado para Pariz. O professor Amoêdo diz que é essa a sua opinião. O Sr. Diretor diz que em Roma também progridem os alumnos applicados. Nessa cidade existe um local onde vão lecionar os melhores professores. Há alem disso outros meios artísticos, e lhe parecendo que o pensionista é dotado de viva imaginação, attenta as provas que deu em dous concursos, melhor lhe convirá ir primeiro para Roma. Posto á voto é approvado o parecer da comissão. Em seguida são abertas as portas e convidados a entrar os alumnos que concorreram ao pemio, não se achando elles presentes, abrem-se as sobrecartas, e é reconhecido premmiado o alumno Bento Barbosa, que usou o pseudonymo Alma-Mater.

.

AcervoAcervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação: 6154.

Actas das sessões do Conselho Escolar

[38 verso] Acta da secção do Conselho Escolar em 26 de novembro de 1895

O Sr. Director communica ao Conselho que lhe vai ser presente o voto da Comissão Julgadora do concurso ao premio de viagem, o que constitui a matéria da ordem do dia.

Convidado o Conselho á examinar os trabalhos dos candidatos ao premio, é depois lido pelo relator da Comissão Julgadora o seu parecer sobre o concurso que é nos seguintes termos. Il. Director – A comissão por vos nomeada para julgar o concurso ao premio de viagem, reunida nesta data, não pode deixar de lamentar que se tenha que fazer provas para um concurso de tal importância, em um local [...] das condições indispensáveis para a execução de taes provas. Assim é que foram obrigados os concorrentes a fazer cada prova em lugar differente, sem que em nenhum pudessem dispor, não já da commodidade requerida, mas até de elementos primordiais, como estabilidade de luz, sufficiente aeração das salas, etc. onde foram obrigados a permanecer tantas horas encerrados.

A vista de tão importante consideração, não pode a comissão deixar de louvar o estóico affinco com que os candidatos conseguiram levar a cabo os trabalhos que a comissão tem presente, e que só um entusiasmo juvenil pode produzir.

Na 1ª prova a comissão julgou dever admittir as provas deffinitivas ambos os candidatos, classificando em 1º lugar o concorrente que assinou com a inicial (z) e em 2º o que assim fez com a letra (x)

Nas provas de modelo-vivo pintado, o que tem o signal (!) admiração [Figura 4] reúne maior numero de qualidades, taes como: harmonia geral da feitura e ambiente, o caracter geral do modelo, sendo também o desenho de conjunto superior ao da prova que tem o signal (?) interrogação, entretanto nota a comissão com [...] necimento que tanto um quanto outro candidato disputaram como ardor a primazia, esforçando-se ambos por tal forma, que se lhes reconhece sensível progresso nessa prova, comparada com os trabalhos escolares executados durante o corrente anno letivo. Consequentemente classificou-se em 1º lugar o candidato cuja prova tem o signal (!), admiração, e em segundo o que tem o signal (!) admiração. Quanto a 3ª prova, tendo conseguido cada um dos candidatos qualidade differentes, de tal sorte, que [39 recto] quasi se equilibram, em attenção as duas provas em que o candidato no 1 levou vantagem ao segundo, não duvidou a comissão classifical-o ainda nesta em 1º lugar fazendo entretanto sentir a pequena differença que existe de um para outro, com a designação de 1º no 1 2º no 1. Em conclusão a comissão é de unanime parecer que se conceda o premio ao candidato que assignou as duas ultimas provas com o signal (!), admiração. Escola Nacional de Bellas Artes, 25 de novembro de 1895. (assignados) Rodolfo Amoêdo, Henrique Bernardelli, Modesto Brocos. O Sr. Director propõe que seja [...] a cidade de Munich para que o premiado prosseguir nos seus estudos, attendendo a só se ter enviado alumnos até a actualidade, para Roma e Pariz, sem haver razão que se justifique não se assim proceder para com a cidade proposta, onde as Bellas-Artes tem desenvolvimento progressivo, e o gosto artístico é bastante cultivado. Approvado o parecer da comissão e a proposta do Sr. Director, são introduzidos na sala de sessão os dous candidatos, em presença os quaes é novamente lido o parecer da Comisssão, pelo seu relator, e abertos os enveloppes que continham os annagramas. É reconhecido premiado ao alumno José Fiúza Guimarães, que usou d’um ponto de admiração como signal ocultador.

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 668.

Termo de julgamento da prova final de Pintura no Concurso ao Prêmio de Viagem

Em 1º de dezembro de 1896 as 9 horas e meio da manhã reunidos Comissão composta dos Senrs. Professores Henrique Bernardelli, Modesto Brocos e Augusto Girardet, nomeda pela Directoria, presente o Senr. Director e Secretario deu-se conhecimento ao canditato da seguinte lista de pontos;

1º Judith – Morte de Holofernes

2º Visão de Jacob

3º Agar no Deserto

4º Pompilio e a nympha Egeria

5º Sahida de Abrão do Egipto

6º Helena invoca Minerva

7º Agar despedida por Abrão

8º Daphnis e Clóe

9º Narciso

10º Tarquinio

O Senr. Antonio de Souza Vianna candidato ao ponto de Viagem tira o ponto 4º (Pompilio e a nympha Egeria). Em [Verso] Em seguida foi o candidato introduzido em sala que foi fechada, sendo as portas lacradas em presença da comissão e Director, afim de executar a prova.

Terminados os trabalhos ás 4 horas da tarde foram guardados secretamente. Do que fica dito foi lavrado o presente termo que vai assignado pelo Secretario que o lavrou, pelo Senr. Director e pela Comissão.

Secretaria da Escola Nacional de Bellas Artes, 1 de dezembro de 1896.

[assignados: Prof. Rodolpho Bernardelli, Modesto Brocos, Augusto Girardet, Henrique Bernadelli...]

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6154.

Actas das sessões do Conselho Escolar

[48 verso] Acta da secção do Conselho Escolar em 5 de dezembro de 1896

É lido o parecer da comissão julgadora do concurso ao Premio de Viagem a Europa. Parecer: “Sr. Director da Escola Nacional de Bellas Artes. A comissão nomeada pela directoria dessa Escola para julgar as provas de concurso ao premio de viagem a que concorreu o alumno matriculado Antonio de Souza Vianna, depois de ter examinado detidamente com o modelo a vista as referidas provas [Figura 5] , entende que o candidato merece e a elle deve ser conferido o premio de viagem. Esta opinião é alem de tudo fortalecida com o confronto feito entre as provas apresentadas e as exhibidas no ultimo concurso, realizado em 1895. A comissão resolve mais que para sede dos estudos nos dous primeiros annos, foi escolhida a cidade de Munich, podendo entretanto o alumno premiado caso seja seu desejo, e isto não acarrete mais para o estado, ser transferido mediante autorização da diretoria da Escola Nacional de Bellas Artes, para outro centro artístico de equivalente importância. Escola Nacional de Bellas Artes, 5 de dezembro de 1896 (assignados) Henrique Bernardelli, Modesto Brocos, Augusto Girardet. [49 recto] O Sr. Presidente convida os professores presentes para examinarem os trabalhos do concorrente. É approvado o parecer da Comissão julgadora do concurso.

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6154.

Actas das sessões do Conselho Escolar

[91 recto] Acta da 1ª seção do Conselho Escolar do anno de 1900

É lido o seguinte parecer: “Escola Nacional de Bellas Artes do Rio de Janeiro. Concurso ao premio de viagem a Europa realizado em 1899. Parecer da comissão nomeada para o julgamento do dito concurso. A comissão nomeada pela directoria dessa Escola para o julgamento e fiscalização das provas do concurso com premio de viagem a Europa, apresentadas pelo único candidato, o alumno matriculado Theodoro José da Silva Braga, tendo examinado com todo cuidado, as referidas provas, é de parecer que:

A primeira, que vem a ser: uma figura nua de homem e acessórios, tudo pintado do natural em 30 sessões, e que foi examinada com a presença do modelo em acção e referidos acessórios, esta em condições de ser aceita no grau de boa [Figura 6] .

A segunda, sendo o esboceto de uma composição executada em 8 horas, cujo assumpto, tirado á sorte, é: “ Ullyse se fait connaitre aux prétendants et commence sa vengeance par la mort d’Antinous” é unicamente exigida para que o candidato prove se tem o dom da imaginação; conseguintemente, postos a parte todos os demais requisitos, os quaes não se pode pretender de um alumno que ainda muito tem que estudar, entende a comissão que a composi [91 verso] ção do candidato aclara sufficientemente o assumpto. Finalmente, confrontadas estas provas com idênticas exhibidas por alumnos premiados nos últimos anno, a comissão julga que o candidato é merecedor do Premio de Viagem a Europa.

Outrossim, entende a comisssão escolher a cidade de Pariz para a aprendizagem do premiado nos dous primeiros annos, podendo depois, se for o seu desejo, e com a autorização da Directoria desta Escola, se transferir para outra cidade de igual importância artística para terminar o prazo de seus estudos. Rio de Janeiro a 13 de janeiro de 1900. A comissão: (assignados) Daniel Berard, Augusto Girardet, Zeferino da Costa

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação: 6155.

Livro de registro das atas das sessões do Conselho Escolar da ENBA (após 14/09/1911 – Conselho Docente)

[25 recto] Acta da sessão do Conselho Escolar realizada no dia 8 de fevereiro de 1906.

A comissão nomeada para acompanhar e julgar o Concurso de Viagem reunida nesta Escola na presente data, depois de examinar attentamente as duas provas de que consta o alludido concurso [Figura 7a] [Figura 7b] é de parecer que o único concorrente que se apresenta [Lucílio de Albuquerque] esta [...] de complementar na Europa os seus prometedores estudos pelas razões que passa a expor: 1º o assumpto sorteado “Anchieta escrevendo o seu poema á Virgem”, comportando apenas uma só figura offerece ao candidato grandes dif [25 verso] ficuldades sendo algumas vencidas com desembaraço promettedor. 2º [...] a concepção não esta isenta de [...] para um jovem artista, em compensação o assumpto no seu aspecto mais geral foi [...] com inteligência [...] alguns requisitos exigidos em um quadro como sejam: a harmonia geral, a indispensável lógica entre o movimento do protagonista e os acessórios que completam a scena, e boa comprehensão da attitude do personagem em relação ao assumpto.

3º confrontando-se a presente prova com as dos concursos que para o mesmo fim se fizeram anteriormente, a comissão unanimemente declara a superioridade das presentes provas, congratulando-se com a Escola por ter modificado o regimem anteriormente adoptado. E em cumprimento do disposto no art. 16, cap, V das instruções approvadas por aviso de 23 de outubro de 1905 a comissão marca a cidade de Paris para lugar de permanencia do premiado (Assignados) Rodolpho Amoêdo, Henrique Bernardelli, Zeferino da Costa

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação: 6155.

Livro de registro das atas das sessões do Conselho Escolar da ENBA (após 14/09/1911 – Conselho Docente)

[72 recto] Acta da sessão do Conselho Escolar realizada no dia 8 de agosto de 1911.

Termo do julgamento das provas apresentadas ao Concurso de Viagem apresentadas pelos dois candidatos Senrs. Augusto Bracet e Aníbal Mattos. Aos três dias do mês de Agosto do anno de mil novecentos e onze, reuniu-se a comissão julgadora do concurso ao premio de viagem sob a presidencia do Senr. Prof. Rodolpho Bernardelli e, depois de apurado exame sobre os quadros apresentados, apresenta o seu julgamento nos seguintes termos. Dous são os candidatos que se inscreveram e o ponto sorteado foi - “Trahição de Judas”; vago, como é o ponto, tiveram os candidatos vasto campo para escolherem a scena que melhor se coadunasse com os seus temperamentos. Assim é que o candidato sob o pseudônimo Avante escolheu a scena immediatamente seguida [Figura 8] . Analizando detidamente as qualidades dos dous trabalhos apresentados, a comissão entende que sob o ponto de vista da interpretação do assumpto, da technica e do colorido, o trabalho do candidato Avante é evidentemente superior e por isso resolve unanimente indical-o como merecedor do Premio de Viagem. Quanto ao traba [72 verso] lho assignado Fé, entende a comissão que embora inferior ao do trabalho do outro candidato, tem entretanto, qualidades dignas de menção e de encorajamento. Procedida immediatamente a exposição dos trabalhos julgados, a comissão mandou abrir o envoltório em que se encerravam os nomes dos candidatos e os respectivos pseudônimos que são: “Avante”, candidato Augusto Bracet; “Fé”, candidato Aníbal Mattos.

Nestas condições, o Sr. Presidente da comissão proclama como [...] do Premio de Viagem o candidato Sr. Augusto Bracet, indicando como lugar de permanência do pensionista a cidade de Roma. E, para [...] , lavra-se o presente termo que vai assignado pelo Presidente e pelos membros da comissão julgadora. (Assignado) Rodolpho Bernardelli, Zeferino da Costa, E. Visconti, João Baptista da Costa.

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6156.

Livro de Registro das actas da sessão do Conselho Docente, posteriormente da Congregação (a partir de 4/11/1915)

[103 verso] Acta da sessão da Congregação, effetctuada em 18 de novembro de 1916.

Exmos. Srs. Membros da Congregação da Escola Nacional de Bellas Artes. A comissão feita para julgar o concurso ao premio de viagem ao estrangeiro, examinou com a maior attenção os trabalhos dos dous únicos concorrentes e notou o seguinte: os trabalhos assignados como o pseudonymo Peleu [A. J. Marques Júnior], a 1ª prova (Academia pintada), esta bem collocada na tela, são boas as qualidades de côr, o claro escuro justo, porquanto a projecção

da cabeça do cavallo sobre o modelo esta bem observada; a 3ª prova (esboceto de composição) não correspondendo, embora, ao mérito das provas anteriores, expressa discretamente o assumpto e tem algumas qualidades de côr. Nas provas assignadas pelo pseudonymo Jason, a primeira (Academia desenhada), tem as mesmas qualidades do candidato Peleu [Figura 9a], com algumas vantagens de construcção e caracter, não acontecendo o mesmo com a 2ª prova (Academia pintada) [Figura 9b]. Vê-se nesse trabalho que o outro preocupou-se em executal-o com largueza [104 recto] de factura, em prejuizo do modelo, que esta mal comprehendido e [...] as proporções. Quanto a 3ª prova (Esboceto de composição), não deixa, como na do candidato Peleu, de expressar o assumpto, mas as figuras não estão distribuídas com a variedade daquelle, nem reúnem as suas qualidades de côr.

Em vista do exposto, a comissão unanimemente adjudica o premio de viagem ao candidato Peleu, indicando a cidade de Paris para sede de seus estudos. Escola Nacional de Bellas Artes, 17 de novembro de 1916 (Assignados) Modesto Brocos, Lucilio de Albuquerque, Rodolpho Chambelland, João Baptista da Costa presidente e Dr. Gama Rosa, secretário.” O Sr. Cianconi pergunta, como sendo secreto o parecer da comissão julgadora do premio de viagem, publicaram, entretanto, os jornaes o resultado do julgamento. O Sr. Director diz que, pela Administração da Escola, nada foi communicado á Imprensa. O parecer da comissão julgadora do premio de viagem foi unanimente approvado pela Congregação excepto digo, exceptuado, apenas o voto do professor Ludovico Berna, que apresenta a seguinte declaração de voto: “Não se traduza a minha franqueza e lealdade em falta de acatamento aos dignos julgadores do concurso de viagem, porem, seguindo a minha orientação e meu programma technnico, e, reconhecendo qualidades excelsas de imaginação e execução technica nos trabalhos do pseudonymo Jason, é a esse trabalho que dou o meu voto.”

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6156.

Livro de Registro das actas da sessão do Conselho Docente, posteriormente da Congregação (a partir de 4/11/1915)

[172 verso] Acta da sessão da Congregação, reabrindo a 25 de novembro de 1918.

[...] “Escola Nacional de Bellas Artes. Rio de Janeiro, 25 de novembro de 1918. Parecer da Comissão do Concurso de viagem, na sessão de pintura. A Comissão [...] , desempenhando-se de seu compromisso e [...] o trabalho executado pelo alumno candidato Henrique Cavalleiro, declara que na primeira prova (desenho) o Candidato mostra aptidão de modelado satisfatória; na segunda prova (pintura de modelo vivo) o candidato apresenta as mesmas qualidades junto a um sentimento [...] da côr e do ambiente; na prova final (esboceto sobre assumpto histórico) satisfaz quanto à parte da imaginação, que n’esta se requer. Em conclusão, é de parecer que ao Candidato deve ser concedido o premio. Assignado – J. Baptista da Costa. Director. Rodolpho Amoedo, Rodolpho Chambelland e Raul Pederneiras”.

Foi igualmente lida e approvada a relação de pontos para a prova de esboço (composição) para o [...] concurso: primeiro: Morte de Moema, segundo – Orpheo [...] as divindades superiores; terceiro – Tiradentes ouvindo a sentença de morte; quarto – homenagem a D. João 6º no Rio de Janeiro (1808); quinto – uma [...] da catechese dos [...] ; sexto – Morte de Absalão (... 9º); sétimo – o Sacrifício de Abrahão; oitavo – o Repouso de Ulyses; nono – Salomé pedindo a cabeça de S. João Baptista?; décimo – Allegoria á Cruz? [...] Foi sorteado o ponto no 6 – morte de Absalão

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6158.

Actas das sessões da Congregação da Escola Nacional de Bellas Artes 1924-1931

[124 recto] Acta da sessão da Congregação da Escola Nacional de Bellas Artes, effectuada em 7 de novembro de 1927.

Presidência do prof. José O. Corrêa Lima Director

A comissão incubida de dar parecer sobre o concurso de pintura a premio de viagem examinando os trabalhos dos dois candidatos Alcebiades Miranda e Alfredo Galvão tem a dizer o seguinte: 1ª prova: – um desenho de academia de modelo vivo -. O trabalho do Sr. A. Miranda tem qualidades de modelado, porém é insufficiente como caracter e proporção, faltando-lhe equilibrio. O desenho do Sr. A. Galvão tem qualidades de caracter, modelado e construcção, mas desproporcionado nas pernas um tanto alongadas. Em consequencia ha uma pequena superioridade sobre o desenho do outro concurrente.

2ª prova – Pintura de uma figura do natural – O trabalho do Sr. A. Miranda apresenta qualidades de construcção na figura e de côr no pannejamento; mas não tem proporção na cabeça; o pescoço é curto; os braços igualmente (exagerando o defeito do modelo); perna esquerda mal desenhada; côr terrosa uniforme em todo modelo. O trabalho do Sr. A. Galvão [Figura 10] tem qualidades de desenho, de [124 verso] côr, modelado e caracter, principalmente na cabeça. Falta-lhe porem volumes nas articulações do joelho, melhor valorisação no torso e o pé direito é deficiente como desenho e modelado. Pelo exposto ressalta uma superioridade, nesta prova sobra a do outro concurrente.

3ª prova – Esboço de composição do ponto sortedo “Uma scena de carnaval” – em ambas falta o senso da composição; não existe um ponto principal; não ha equilibrio nem valores; enfim ambos são máus. Finalisando: a comissão acha que o candidato A. Galvão apresenta uma superioridade sobre o seu concurrente merecendo, portanto, que lhe seja conferido o premio de viagem á Europa, apezar dos defeitos apontados.

Escola Nacional de Bellas Artes 7 de novembro de 1927

Lucilio de Albuquerque

Rodopho Chambelland

Modesto Brocos”.

.

Acervo Arquivístico do Museu Dom João VI EBA/UFRJ. Notação 6158.

Actas das sessões da Congregação da Escola Nacional de Bellas Artes 1924-1931

[182 verso] Acta da sessão da Congregação da Escola Nacional de Bellas Artes realizada em 15 de janeiro de 1930

Presidencia do Prof. José O. Corrêa Lima Director

Julgamento das provas do concurso de premio de viagem na secção de pintura executadas pelos dois candidatos: Alcibiades Miranda e Quirino Campofiorito, o Sr. Director chama, inicialmente attenção, para o facto: de não haver a comissão julgadora chegado - como habitualmente - a uma mesma conclusão quanto ao merito dos concurrentes, [...] que, cada um de seus componentes, firmará um parecer distincto. - [183 recto] São lidos sucessivamente os seguintes pareceres: - “Tratando-se de um concurso escolar, é preciso considerar qual dos candidatos deu melhor applicação aos principios da arte; Ora [...] das provas quase se equilibram embora as do Sr. Miranda levem vantagem quanto as applicações da perspectiva linear. Na terceira e ultima prova esboceto pintado em uma só sessão de 8 horas, a do Sr. Miranda leva grande vantagem a do antagonista, o Sr. Campofiorito, não só quanto a expressão do assumpto sorteado: - “Morte de Abel”, como também no arranjo e execução, que demonstram um conhecimento maior da Arte. Voto por consequencia no Sr. Miranda, por evidenciar elle maior approveitamento dos ensinos desta Escola e parecer mais artista. (Assignado) Rodolpho Amoêdo.” – “Tendo examinado os trabalhos executados para o referido concurso, julgo o seguinte: Quirino Campofiorito: apresenta na 1ª prova (academia desenhada) melhores qualidades, quer na construção, quer nas proporções. Na 2ª prova (academia pintada) prova que reputo a mais importante, não só encontro as mesmas qualidades como maior harmonia com relação a cor e a factura. Quanto ao esboceto: “Morte de Abel”, embora fraco, não faz a meu ver diminuir a classificação que julgo de justiça dar o 1º lugar. Rio de Janeiro, 8 de janeiro de 1930 (Assignado). Augusto Bracet; - “Sou da opinião que não se poderá distacar qualquer dos concorrentes ao premio de viagem pelo motivos seguintes: na 1ª prova de desenho, o Sr. Q. Campofiorito apresenta pequena superioridade sobre o seu concurrente, quer como proporção e caracter, quer quanto o modelado. Na 2ª prova de academia, o mesmo candidato offerece qualidade melho- [183 verso] res ao do seu collega quanto a proporção, modelado e cor. Na 3ª prova constando de esboceto cujo ponto sorteado “Morte de Abel” O Sr. Campofiorito não satisfaz absolutamente por não expressar o assumpto com a clareza devida, o que é essencial. Na 1ª prova de desenho do Sr. A. Miranda, sem apresentar o mesmo aspecto do trabalho do seu collega, possue entretanto qualidades que muito se approximam do seu concurrente. Na 2ª prova de academia, o Sr. A. Miranda apresenta um trabalho sem as proporções do modelo; a cor é terroza e o modelado deficiente. Na 3ª prova de esboceto: “Morte de Abel” o seu trabalho é superior ao do seu collega, visto ter conseguido as qualidades que faltam no esboceto do Sr. Campofiorito. Em resumo, entendo que não havendo superioridade entre os dois concurrentes, visto possuirem ambos qualidades que equivalem, por isso mesmo não posso destacar qualquer dos dois candidatos para premio de viagem. Rio 8 de janeiro de 1930 (Assignado) Rodolpho Chambelland. – ” Pede a palavra o Sr. Flexa [Fléxa Ribeiro] e diz, em conclusão, que o parecer do Prof. Chambelland retratava fielmente a situação dos candidatos; discordava porém, de suas conclusões, pois na mesma [...] que precedera deixara transparecer claramente: sensível superioridade de um dos candidatos, com que, alias, estava de pleno accordo. – O Sr. Director em seguida convida a Congregação a examinar os trabalhos do can- [184 recto] didatos, suspendendo momentaneamente a sessão. – Reaberta a sessão, o Sr. Director indaga: si a vista da divergencia existente entre os membros da comissão julgadora, não conviria escolher-se uma nova comissão. Regeitado tacitamente esse alvitre, estabelece-se prolongado debate sobre a maneira de se proceder a votação dos pareceres. O Prof. Raul propõe preferência para a votação o parecer “Chambelland” o que motiva animado debate e a tacita recusa da proposta. O Prof. Bahiana [Gastão Bahiana] propoe: que preliminarmente a Congregação verificasse: qual dos dois candidatos obtivera maiores recompensas no curso, proposta, que, igualmente, é regeitada implicitamente. Finalmente, o Sr. Director declara que iria submeter, nominalmente, os tres pareceres a votação, devendo cada um dos senhores professores manifestar-se por um delles; solução que merece geral apoio. – Procedida nominalmente a chamada, votaram a favor do parecer “Bracet” (dando o 1º lugar ao candidato Campofiorito) os professores: Lucilio de Albuquerque, Magalhães Corrêa, Morales Filho, Flexa Ribeiro, A. Memória, Augusto Girardet, seis votos (6 votos). – Votaram á favor d parecer “Chambelland” (considerando os candidatos em igualdade de condições) os professores: Alvaro Rodrigues, Manoel Henrique Lima, Raul Pederneiras, Corrêa Lima; quatro votos (4 votos); vota á favor do parecer “Amoêdo (dando o 1º lugar ao candidato A. Miranda) o prof. Gastão Bahiana. Não tomam parte da votação os autores dos respectivos pareceres, em com o Prof. Petrus Verdié, que declara votar em branco, por se achar embaraçado para opinar a vista da divergência dos proprios membros da commissão Technica. [184 verso] O Sr. Director declara, a vista do resultado da votação, o candidato Quirino Campofiorito classificado em 1º lugar. O Prof. Álvaro declara que embora tendo votado pelo parecer “Chambelland” [...] pela victoria do candidato Campofiorito que [...] justa. E nada mais havendo a tratar, o Sr. Director encerra a sessão e para constar mandou lavrar a presente ata que vai assignada [...] pelo Sr. Director e professores presentes.